Mente Cérebro
Clique e assine Mente Cérebro
Notícias

Arteterapia num campo de concentração

Exposição traz desenhos de crianças confinadas durante o Holocausto; como forma de amenizar o sofrimento, atividades eram promovidas pela artista plástica Friedl Dicker-Brandeis

junho de 2014
No início dos anos 40, o campo de concentração Theresienstadt, na atual República Tcheca, funcionava como uma espécie de prisão-modelo, onde havia apresentação de orquestras e aulas de pintura. O local era exibido pelos nazistas ao mundo na tentativa de desviar as atenções da mídia das crueldades praticadas durante o Holocausto. Entre os confinados, estava a artista plástica austríaca Friedl Dicker-Brandeis, que ensinava técnicas de desenho e pintura para as crianças com materiais artísticos que ela própria levara para o campo.

Ela contava histórias e pedia que as crianças fizessem ilustrações, na tentativa de ajudá-las a amenizar seu sofrimento e encarar a situação como transitória. Considerada hoje uma precursora da arteterapia, Friedl conseguiu esconder os quase 5 mil desenhos de seus alunos em malas antes de ser levada para Auschwitz, onde foi morta em 1944. Cerca de 40 desses trabalhos, achados na década de 50 e levados para o Museu Judaico de Praga, podem ser vistos até o final de junho no MuBE, em São Paulo. A exposição As meninas do quarto 28 traz produções de adolescentes entre 12 e 14 que viveram na ala de mesmo nome.

As narrativas são sobre temas diversos e pouco refletem o terror que elas vivenciaram, assombradas pela ameaça permanente de ir para o “leste”, ou seja, Auschwitz. “É emocionante ver desenhos tão coloridos e alegres dessas crianças, que viveram uma realidade tão difícil. A arte, realmente, tem um poder transformador”, afirma Karen Zolko, sobrinha de Erika Stránská, uma das garotas que habitaram o quarto e representante da exposição no Brasil. Das mais de 15 mil crianças presas em Theresienstadt, apenas 93 sobreviveram – 15 delas do quarto 28.

As meninas do quarto 28. MuBE (Museu Brasileiro da Escultura). Avenida Europa, 218, Jardins, São Paulo. Terça a domingo, das 10h às 19h. Informações: (11) 2594-2601. Grátis. Até 29 de junho.

Leia mais

Exclusão social faz o cérebro adoecer

Memórias do amanhã

Temos a tendência de imaginar que o futuro será melhor. Estudo revela que ao nos lembrarmos do que pensamos no passado nos inclinamos a tomar melhores decisões