Mente Cérebro
Clique e assine Mente Cérebro
Notícias

Artista retrata sonhos infantis e contos de fadas

Em cartaz na Caixa Cultural, mostra traz pinturas, instalações e vídeos com temas relacionados à ingenuidade e vivências dolorosas da infância

novembro de 2016
DIVULGAÇÃO

A expressão “castelo de areia” é com frequência usada como metáfora para ilusões, desejos que não resistem à realidade. Por isso, foi escolhida como título da mostra que reúne mais de 80 trabalhos da artista plástica Katia Canton, que há 20 anos pesquisa e desenvolve obras com temas relacionados à infância, sonhos e contos de fadas.

Em cartaz na Caixa Cultural, a mostra traz pinturas, instalações e vídeos, em sua maioria inéditos. Castelo de areia, que dá título à seleção, é uma instalação com 50 kg de areia e variados bonecos, fazendo menção a um contexto lúdico, alegre e efêmero. Um vídeo traz imagens de castelos que se desfazem com as ondas. Destacam-se também as séries Casinhas – desenhos infantis cuja tinta escorre, como sonhos que deixam de existir – e A cura, com trabalhos nos quais Katia usou como tinta medicamentos que fizeram parte da infância de muitos dos espectadores, como mercuriocromo e violeta genciana. 

Entre as produções mais antigas da artista exibidas na mostra está a sequência de ilustrações Contos de fadas. São pequenas narrativas que mesclam ingenuidade e vivências dolorosas, evocando a forma original dos contos infantis tradicionais, que, em suas versões mais antigas, costumavam abordar a morte e os mais variados tipos de violência.

Castelo de areia.
Caixa Cultural São Paulo. Praça da Sé, 111, Centro, São Paulo.
De terça a domingo, das 9h às 19h. Informações: (11) 3321-4400.
Grátis. Até 4 de dezembro.

Para mais sugestões como esta, adquira a edição de outubro de Mente e Cérebro, disponível na Loja Segmento: http://bit.ly/2ekCMnU 

Leia mais:

As coisas não são como parecem...
Em A bela e a adormecida, o premiado autor Neil Gaiman apresenta uma releitura de famosos contos de fadas

Sentidos ocultos nos contos de fadas
Chapeuzinho Vermelho não apenas fascina crianças, mas motiva pesquisadores a fazer análises, comentários e interpretações