Mente Cérebro
Clique e assine Mente Cérebro
Notícias

As “estrelas” que moram na cabeça e controlam a respiração

Células neurais chamadas astrócitos regulam a entrada e a saída de ar de acordo com a necessidade do organismo a cada momento

março de 2011
© alexander gourine
O processo de inspirar e expirar parece obedecer a um controle cerebral simples. Mas, segundo artigo publicado na Science por um grupo de cientistas do Reino Unido e dos Estados Unidos, existem células específicas que desempenham um papel central nessa regulação: os astrócitos. Encontradas no cérebro e na medula espinhal, elas recebem esse nome por terem formato de estrela. Até há pouco tempo, os neurocientistas supunham que essas estruturas neurais tivessem função secundária e pouco ativa na fisiologia cerebral, mas Alexander Gourine, da University College London, encontrou evidências de que elas são protagonistas no controle químico-sensorial da respiração.


Ele descobriu que os astrócitos detectam alterações nos níveis de dióxido de carbono e de acidez no organismo. Com base nessas informações são ativadas redes neuronais que regulam a entrada e a saída do ar, de acordo com a atividade e o metabolismo do corpo a cada momento. Durante o processo, os astrócitos liberam trifosfato de adenosina (ATP), um mensageiro químico que estimula centros respiratórios para que uma quantidade a mais de dióxido de carbono seja removida do sangue e eliminada pela expiração. Pesquisadores acreditam que esses resultados podem ajudar a entender melhor os mecanismos responsáveis por problemas como asma, enfisema e até a sensação de fôlego curto causada pelo estresse ou por doenças cardiovasculares.