Mente Cérebro
Clique e assine Mente Cérebro
Notícias

As Loucuras anunciadas de Goya

Caixa Cultural apresenta, em São Paulo e Brasília, objetos interativos e gravuras da série Disparates, consideradas as produções mais complexas e obscuras

setembro de 2017
Da redação
the company art

Disparate do medo (acima) e Disparate feminino fazem alusão ao imaginário social do início do século 19, ainda permeado por preconceitos medievais

As obras do pintor e gravurista espanhol Francisco de Goya (1746-1828) retratam o que se poderia chamar de espírito da época: foram produzidas em um momento histórico no qual as ideias do Iluminismo, marcado pela exaltação da razão, tomavam corpo entre os intelectuais na Europa, mas o imaginário social ainda permanecia contaminado pelos preconceitos e medos medievais disseminados pelo Santo Ofício. Não por acaso, o artista optou por não publicar em vida as obras da série Disparates, um conjunto de gravuras obscuras, que remetem a visões oníricas – marca do artista – e trazem títulos sugestivos como Disparate do medo, Disparate furioso e Disparate matrimonial, entre outros “disparates” que revelam uma reflexão crítica sobre os mais variados tabus institucionais e sociais.

Reunidas sob o título Loucuras anunciadas, essas 20 gravuras podem ser vistas de perto na Caixa Cultural de São Paulo até o fim de setembro, antes de seguirem para Brasília, onde ficam em exibição de janeiro a março de 2018. A proposta dos “disparates”, segundo a curadora Mariza Bertoli, é provocar o visitante a repensar os muitos absurdos cotidianos que encaramos com normalidade. Nesse sentido, a organização da exposição preparou algumas propostas interativas, como uma imagem em tamanho gigante da gravura Os ensacados, que retrata pessoas envoltas em sacos, como que presas em camisas de força. Ao lado da grande imagem, há sacos para que o visitante possa brincar de fazer parte da obra, tornando-se por alguns momentos figurantes do trabalho de Goya. “Ver-se entre os ‘loucos’ é inusitado. É pensar sobre estar ou não ‘ensacado’”, diz Mariza Bertoli, ressaltando que a ideia de enclausuramento da obra pode ter relação com a surdez de Goya, que perdeu a audição aos 46 anos.

Goya abordou exaustivamente em sua obra a marginalização social de deficientes físicos e mentais. Registrou todo tipo de deformidades e os tratamentos desumanos dispensados aos internos de manicômios. Produziu também obras que iam ao encontro dos ideais iluministas da época, destacando o lado irracional e bestial do homem, que, na sua perspectiva, ainda tinha muito a evoluir para ser considerado animal racional. Os Disparates, por sua vez, denunciam violências, perversões sexuais e amarras institucionais, convidando o espectador a repensar o conceito de lucidez em um mundo aparentemente repleto de absurdos. Assim, a curadoria da mostra preparou também uma instalação com espelhos côncavos e convexos e máscaras, para que os espectadores possam exercitar se colocar de outras perspectivas.

Loucuras anunciadas – Francisco de Goya. Caixa Cultural São Paulo. Praça da Sé, 111, Centro, São Paulo. De terça a domingo, das 9h às 19h. Informações: (11) 3321-4400. Grátis. Até 24 de setembro. Em janeiro de 2018, segue para a Caixa Cultural Brasília. Setor Bancário Sul Quadra 4 Lotes 3/4 – Asa Sul, Brasília. Informações: (61) 3206-9450.

Para mais sugestões como esta adquira a edição de agosto de Mente e Cérebro: ImpressaAndroidIOS e WEB

Leia mais:

Ensaio fotográfico alerta sobre depressão pós-parto - Junto com uma amiga, a fotógrafa Danielle Fantis, produziu um ensaio fotográfico que retrata os altos e baixos de suas emoções

Memórias de família - Labirinto e memória, um compilado de obras que unem desenho, pintura e fotografia, feitas a partir de recordações