Mente Cérebro
Clique e assine Mente Cérebro
Notícias

Atividades coletivas podem ser mais benéficas do que em duplas

Pessoas que interagem em grupos apresentam melhores resultados em testes de habilidades mentais

março de 2015
SHUTTERSTOCK

Na última década, vários estudos comprovaram que manter atividades sociais é importante para a saúde mental, principalmente à medida que envelhecemos. Agora, uma pesquisa publicada na Social Science & Medicine atribui benefícios específicos a diferentes tipos de interação social. Relacionamentos a dois, como um casamento, acarretam bem-estar emocional. Mas, para prevenir o declínio cognitivo, as trocas grupais exercem maior influência.
O estudo analisou dados de mais de 3.400 adultos com 50 anos ou mais. Aqueles que relataram intenso envolvimento com grupos sociais, como clubes do livro e organizações comunitárias, tiveram melhor desempenho em testes que avaliam habilidades mentais, como memória de trabalho. Interações em dupla, como um amigo, porém, aparentemente não provocaram o mesmo efeito. O reforço cognitivo relacionado ao convívio coletivo ficou mais evidente nos mais velhos: os que estavam próximos dos 50 demonstraram funções cognitivas similares às de pessoas cinco anos mais jovens, enquanto os de 80 “rejuvenesceram” mentalmente dez anos.

Esta matéria foi originalmente publicada na edição de março da Mente e Cérebro, que pode ser adquirida na Loja Segmento: http://bit.ly/184InXR

Leia mais:

O poder da amizade
Se de um lado as relações humanas permanecem frágeis e tensas, de outro, abre possibilidades de criar e recriar experiências

Cada um envelhece de um jeito
O declínio cognitivo não é uma sentença sobre a terceira idade. A perda da agilidade mental depende da complexa interação entre genética, personalidade e ambiente.