Mente Cérebro
Clique e assine Mente Cérebro
Notícias

Brincar na terra ajuda a aprender e causa alegria

Bactéria que vive no solo age no sistema nervoso de forma similar aos antidepressivos, melhora a capacidade de aprendizagem e diminui a ansiedade

dezembro de 2014
Chaiyons021/Shutterstock

A Mycobacterium vaccae, uma bactéria comum que vive no solo, melhora a capacidade de aprendizagem dos animais de laboratório, além de reduzir sintomas de ansiedade. Pesquisadores da Universidade de Bristol descobriram que as bactérias injetadas no cérebro de ratos provocaram o crescimento das células produtoras de serotonina.

Em 2010, roedores alimentados com pão contendo a bactéria encontraram a saída de um labirinto na metade do tempo em comparação a seus pares que tinham recebido pão sem o suplemento de bactérias.

Existem indícios de que esses resultados se aplicam também a seres humanos, e isso levou os pesquisadores a sugerir que estimular crianças a brincar na terra pode ser muito bom para seu desenvolvimento cognitivo.

Como a Mycobacterium vaccae age no sistema nervoso de forma similar aos medicamentos antidepressivos, ativando a serotonina, especialistas levantaram a hipótese de que o efeito do neurotransmissor pode ser potencializado no contato com a terra. A proposta agora é investigar se esses microrganismos seriam capazes de ajudar a melhorar o humor de pacientes com câncer.

Vários estudos revelam os benefícios e a importância do contato com a natureza. A pobreza, por exemplo, exerce menos influência sobre a expectativa de vida das pessoas que moram nas proximidades de ambientes naturais. Saiba mais sobre o tema na edição de dezembro de Mente e Cérebro, A cura pela natureza. Nas bancas e na Loja Segmento.

Leia mais

Você sofre de transtorno de déficit de natureza?
Nos últimos anos, inúmeros estudos realizados em centros de pesquisas de vários países confirmam: contato com a natureza pode ser terapêutico – e num nível bastante profundo

Está com problemas para dormir? Vá acampar!
Luzes artificiais, típicas da cidade grande, podem afetar o relógio biológico e prejudicar a qualidade do sono