Mente Cérebro
Clique e assine Mente Cérebro
Notícias

Cientistas brasileiros obtêm de uma vespa substância com maior poder analgésico

julho de 2007
Universidade de Washington
(Agência USP de Notícias) − De uma pequena vespa que não ultrapassa 5 mm de tamanho, a Polybia occidentalis, conhecida como “marimbondo estrela”, cientistas conseguiram extrair uma substância (peptídeo) que pode ser duas vezes mais potente que a morfina no controle da dor.

No Laboratório de Neurobiologia e Peçonhas, do Departamento de Biologia da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da USP de Ribeirão Preto (FFLCRP), testes realizados com animais de laboratório comprovaram que o peptídeo Treonina-6 Bradicinina (T6Bk) tem efeito eficaz no controle da dor.

De acordo com o professor Wagner Ferreira do Santos, a bradicinina é um modulador que tem vários efeitos fisiológicos nos estados de dor, como a permeabilidade em vasos sangüíneos, por exemplo. “Os testes são um excelente subsídio para melhor entender os mecanismos da dor”, conta o pesquisador. No laboratório, os cientistas utilizaram dois conhecidos padrões para estudo da dor relacionada a hipertermia, o hotplate (placa quente) e o tailflick (teste de retirada da cauda). O peptídeo foi injetado diretamente no cérebro dos animais para que fosse comparada a resistência à dor. A substância fez efeito e os ratos apresentaram maior resistência. A T6Bk, segundo o pesquisador, pode estar atuando receptores do tipo B2 para bradicinina, cujo mecanismo ainda permanece por ser entendido.
O artigo contendo os resultados dos testes foi publicado na revista inglesa British Journal of Pharmacology, na edição de junho e o professor comemora a veiculação de um outro artigo em que especialistas comentam positivamente os experimentos. “Eles ressaltam que os estudos abrem importantes caminhos e que encontramos uma ferramenta capaz de auxiliar no entendimento da dor”, comemora Ferreira. Segundo ele, novos estudos ainda serão empreendidos para que se compreenda melhor esse mecanismo.

Anticonvulsivo

Da mesma vespa, os cientistas também obtiveram um outro peptídeo que mostrou ser um componente anticonvulsivo. Neste caso também foram realizados testes com ratos, o que comprovou a possibilidade.

Neste caso, os pesquisadores já conseguiram produzir uma substância análoga (semelhante) o que já é um modelo para um medicamento. “Em ambos os casos ainda temos muito a caminhar, restando ainda novos testes com modelos animais e em seres humanos”, diz o professor.

Os estudos com a Polybia occidentalis tiveram início há cerca de três anos, quando o professor orientou a tese de doutorado de Márcia Renata Mortari. Atualmente, ele supervisiona o pós-doc da pesquisadora em que estão sendo produzidas as substâncias análogas.