Mente Cérebro
Clique e assine Mente Cérebro
Notícias

Contato visual superestimula autistas

setembro de 2005
Olhar para as feições humanas superestimulas amígdala e giros cerebrais, áreas associadas à emoção e à sociabilidade.
Olhar nos olhos de outra pessoa não é algo fácil para crianças autistas.

Evitar contato visual é uma das características mais marcantes dessa desordem do desenvolvimento, e os pesquisadores têm buscado sua causa na região cerebral do giro fusiforme, ativo no reconhecimento facial. Em vez de ter um giro fusiforme subativo, talvez o problema das crianças autistas seja a amígdala superativa, afirma Kim Dalton, cientista-assistente da Universidade de Wisconsin-Madison, nos Estados Unidos.

O autismo diminui a capacidade de um indivíduo se comunicar e se relacionar socialmente. Evitar o contato visual contribui para isso, pois o olhar é fonte de "pistas sutis cruciais para o desenvolvimento social e emocional", afirma Dalton. Com Richard Davidson, professor de psiquiatria e psicologia na universidade, Dalton comparou adolescentes autistas e adolescentes normais. Ela examinou sua atividade cerebral por meio de ressonância magnética enquanto eles olhavam para retratos de rostos familiares e outros rostos, expressando emoções diversas. Os adolescentes autistas demoraram mais para reconhecer os rostos familiares e cometeram mais erros na identificação das emoções dos outros.

Acompanhando os movimentos oculares dos indivíduos, Dalton e Davidson descobriram que as crianças autistas passam menos tempo com o olhar fixo nos olhos das fotografias. Mesmo assim, o grupo autista "mostrou uma maior ativação da amígdala e do giro orbifrontal", áreas associadas a respostas emocionais, segundo Dalton. Esses resultados sugerem que, em autistas, olhar para rostos causa a superestimulação de centros emocionais, ocasionando comportamento esquivo. A baixa resposta fusiforme é, assim, o efeito, não a causa.

A compreensão dessa ligação pode ajudar os cientistas a desenvolver maneiras de treinar crianças autistas a olhar para rostos, ajudando-as a formar laços sociais mais fortes.