Mente Cérebro
Clique e assine Mente Cérebro
Notícias

Corrida comemora Dia Mundial de Conscientização do Autismo

Evento aberto para pessoas com ou sem deficiências promove inclusão social

março de 2011
© sonya etchison/Shutterstock
O Instituto de Desenvolvimento do Esporte, Educação, Inclusão, Arte, Cultura e Sustentabilidade (Ideeia), organização não governamental (ONG) em São Paulo, unirá esporte e inclusão social, com a Corrida e Caminhada Autismo & Realidade pela Conscientização. O evento, marcado para 3 de abril, tem o apoio da prefeitura de São Paulo. As inscrições estão abertas até 27 de março e também são oferecidas vagas para pessoas com deficiências físicas e mentais. Os interessados podem participar da corrida de 8 km, da caminhada paga de 4 km ou da caminhada gratuita de 4 km. As duas primeiras terão o valor da inscrição (R$ 40,00 por pessoa) revertido ao instituto. Para participar é necessário ter no mínimo 16 anos. As inscrições devem ser feitas pelo site www.ideeia.org.br.


O evento será em homenagem ao Dia Mundial de Conscientização do Autismo, celebrado em 2 de abril. A data foi criada em 2008 pela Organização das Nações Unidas (ONU) para alertar a população sobre a complexidade do assunto, a necessidade de mais pesquisas e a importância da inclusão social. O autismo, distúrbio de desenvolvimento que afeta milhares de crianças no mundo, foi descrito pela primeira vez, nos anos de 1940, pelo psiquiatra americano Leo Kanner (1894-1891) e pelo pediatra austríaco Hans Asperger (1906-1980). No Brasil ainda não há dados estatísticos exatos, mas uma estimativa feita em 2007 pelo Projeto Autismo, do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo (USP), aponta que aproximadamente 1 em cada 190 habitantes apresenta o distúrbio, o que representa algo em torno de 1 milhão de brasileiros autistas. Outros estudos, realizados em diversos países, indicam prevalência quatro vezes maior em meninos e evidenciam que as meninas tendem a apresentar quadro mais grave. Mesmo com todos os esforços por parte dos cientistas, as causas do distúrbio ainda não estão claramente definidas, apesar de já ter sido confirmada a influência da hereditariedade. As principais características do autismo, utilizadas inclusive para diagnósticos, são chamadas de tríade de comprometimento: prejuízos na interação social, no processo de comunicação e na imaginação e presença de comportamentos repetitivos. Essa “tríade” faz com que os autistas geralmente tenham dificuldade em imitar gestos alheios e em entender metáforas. Eles costumam apresentar também isolamento social, aversão a determinados sons, preocupação exagerada com coisas consideradas insignificantes e falta de empatia. Cada vez mais os estudiosos reforçam a importância do diagnóstico precoce e de acompanhamento multidisciplinar que envolva profissionais como neurologistas, psicólogos, fonoaudiólogos e educadores, para que seja assegurada a qualidade de vida dos autistas.