Mente Cérebro
Clique e assine Mente Cérebro
Notícias

Depoimentos inspiram texto sobre envelhecimento

Espetáculo apresenta conversas e reflexões de duas idosas sobre o passar do tempo e da vida

abril de 2013
Reprodução
 “O que você vê quando olha pra mim? Uma velha rabugenta e reclamona? Eu não sou o que você está olhando. Eu sou aquilo que está dentro do que você está olhando. E o que eu converso com você vem de lá, eu sou o lado avesso da velha que você vê”, diz a  octogenária Teresinha, personagem vivida por Maitê Proença em À beira do abismo me cresceram asas, montagem escrita pela atriz e inspirada em entrevistas de moradores de asilo colhidas pelo produtor de teatro Fernando Duarte.

O texto é uma conversa entre duas idosas que vivem juntas em um asilo e passam o tempo relembrando a vida. De temperamentos opostos, têm em comum a franqueza. Terezinha é carrancuda, mas de humor irônico. Faz reflexões interessantes sobre a passagem do tempo e a relação deteriorada que tem com os filhos. Já Valdina é otimista e sutilmente tenta resgatar a amiga de episódios de melancolia. Um belo texto, que convida a refletir sobre a efemeridade da vida.

À beira do abismo me cresceram asas. Teatro do Leblon – sala Fernanda Montenegro. Rua Conde Bernadotte, 26, Leblon, Rio de Janeiro. Quinta a sábado, às 21h. Domingo, às 20h. Informações: (21) 2529-7700. R$ 60 (quinta e sexta), R$ 80 (sábado) e R$ 70 (domingo). Até 28 de abril.

Leia mais:

Estresse prolongado causa envelhecimento

O doloroso exercício da finitude