Mente Cérebro
Clique e assine Mente Cérebro
Notícias

Dona Maria, “a Louca”, protagoniza monólogo

A atriz Lu Grimaldi dá voz à rainha atormentada pela culpa católica e pela solidão

outubro de 2014
Lenise Pinheiro/Divulgação

“Não corram, pode pensar que estamos fugindo”, disse a mãe de Dom João IV enquanto a família real se apressava para embarcar para Brasil antes que as tropas napoleônicas tomassem Portugal. Um comentário demasiado lúcido e sensato para uma mulher conhecida no reino como Maria, a Louca (1734-1816). Retratada pela maioria das biografias e produções audiovisuais como a avó com problemas mentais de Dom Pedro I, a personagem conta sua própria vida no monólogo Palavra de rainha, em cartaz em São Paulo. 

Com um vestido negro que se confunde com o cenário, a atriz Lu Grimaldi dá voz à solitária Maria, atormentada pela culpa religiosa no fim da vida. Primeira mulher a assumir o trono em Portugal, Maria I esteve à frente de decisões cruciais, como a assinatura da execução de Tiradentes. Com sintomas de depressão, não pôde ser tratada pelos médicos da época. A sutil evolução dos primeiros sinais de transtorno psíquico, culminando na perda de contato com a realidade, é um dos aspectos marcantes do texto.


Leia mais



Perigosas sobreposições da loucura
Identificar o outro como louco abre um campo de abuso de poder, intolerância e violência
Sobre gênios e loucos
Munch, Van Gogh, Picasso - De muitos artistas sempre se disse que não batiam lá muito bem da cabeça. Pois agora aumentam as evidências científicas de que criatividade e doença mental andam de fato muito próximas
Elogio da loucura
Manuais diagnósticos criam e extinguem doenças a cada dez anos – o resultado é uma explosão da medicalização psiquiátrica, em fina sintonia com o capitalismo industrial
Loucura em cena
No cinema, os distúrbios psíquicos, antes estereotipados, passaram de expediente narrativo a fenômeno passível de compreensão