Mente Cérebro
Clique e assine Mente Cérebro
Notícias

É possível emagrecer dormindo

Durante o sono, os hormônios que controlam o apetite trabalham; especialistas falam de uma nova tríade para conseguir um peso ideal: dieta, exercícios e descanso, tudo em doses adequadas

setembro de 2009
© Lana K/Shutterstock
Parece bom demais para ser verdade, mas pesquisas recentes indicam que de fato existe conexão entre a redução do peso e a quantidade de tempo que passamos entregues aos braços de Morfeu. Os responsáveis por esse fenômeno são dois hormônios que controlam o apetite: a grelina e a lectina. Quando não descansamos bem, os níveis da primeira, responsável pelo aumento do apetite, sobem; já a segunda, que promove sensação de saciedade, diminui.

Um estudo publicado no periódico Psychoneuroendocrinology mostra prejuízo significativo nos níveis noturnos de grelina em pessoas com insônia crônica. De acordo com a pesquisa, disfunções vinculadas a esse hormônio levam os insones a ter mais apetite durante o dia – o que pode desencadear aumento de peso a longo prazo. Além de criar um desequilíbrio hormonal, dormir mal eleva os níveis de cortisol, responsável pelo stress, provocando desejo por alimentos “reconfortantes” – como os carboidratos. Além disso, durante o sono, o cérebro secreta o hormônio do crescimento, ajudando o corpo a converter gordura em energia: sem dormir a quantidade de tempo adequado, essa gordura se acumula.

O psicólogo Michael Breus, especialista em sono, ressalta, porém, que não existe mágica: em média, um adulto precisa de cinco ciclos de 90 minutos de sono por noite, isto é, deve dormir ao menos sete horas e meia a cada 24. É bom esclarecer, porém, que ficar debaixo das cobertas não é suficiente para emagrecer. “O que essas descobertas mostram é que existe uma nova tríade para conseguir um peso ideal: dieta, exercícios e sono suficiente”, diz Breus.

Leia mais:

Estudo analisa relação entre prazer e culpa na alimentação

Dormir bem, comer melhor