Mente Cérebro
Clique e assine Mente Cérebro
Notícias

Estudo associa TOC a alterações na função executiva do cérebro

Pessoas com o transtorno têm pior desempenho em tarefas que demandam capacidade de planejamento

agosto de 2014
Shutterstock
Lavar as mãos várias vezes em poucas horas, contar séries de números ou retornar algumas vezes depois de sair de casa para verificar se a porta está bem trancada. São exemplos de atos repetitivos ou rituais frequentes em pessoas com transtorno obsessivo-compulsivo (TOC). O paciente sofre com pensamentos, ideias e imagens persistentes e não raro desenvolve comportamentos rígidos como os descritos para tentar aliviar sua ansiedade. Estima-se que o TOC mais de 4 milhões no Brasil. Sua causa é possivelmente multifatorial – envolve predisposição genética, desequilíbrio neuroquímico e fatores psíquicos. Agora, um estudo da Universidade de Denver associou o transtorno especificamente a alterações na função executiva do cérebro.

A função executiva compreende o conjunto de processos cognitivos subjacentes ao planejamento e à execução de tarefas, entre eles: memória de trabalho, atenção sustentada, inibição de impulsos, recuperação de conhecimentos relevantes da memória de longo prazo. Com a hipótese de que existe uma relação entre deficiências nesses processos e o TOC, a neurocientista Hannah Snyder e seus colegas fizeram uma metanálise (método que reúne dados obtidos em diversas pesquisas) de 110 estudos – um total 3.162 voluntários diagnosticados com TOC e 3.152 saudáveis (grupo de controle) – que avaliaram o desempenho em tarefas relacionadas à função executiva.

A análise dos dados mostrou que pessoas com TOC apresentavam, com mais frequência, características como inibição, rigidez de pensamento, impulsividade e problemas na memória de trabalho verbal e visuoespacial. Isso sugere a relação entre sintomas de TOC e alterações nos processos cognitivos que compreendem a função executiva. “Dependemos dessas habilidades para mudar hábitos, tomar decisões, avaliar riscos, planejar o futuro e lidar com situações novas”, diz Hannah. “Alterações nesse sistema podem interferir decisivamente na vida de quem sofre com a doença.”

De acordo com a neurocientista, o funcionamento deficiente de circuitos pré-frontais-estriados pode ser a causa subjacente a alterações na função executiva. Deixa claro, porém, que são necessários mais estudos para formular uma hipótese consistente sobre a origem neurobiológica do TOC . “Compreender melhor esses mecanismos pode ajudar a desenvolver tratamentos mais eficazes, desde intervenções farmacológicas até programas de treinamento para aprimorar a função executiva”.

Leia mais

Eletricidade para curar o cérebro
Estimulação magnética transcraniana (EMT) pode trazer esperança para pacientes com transtornos de ansiedade que não respondem aos medicacamentos

Infecção de garganta pode deflagrar distúrbio psiquiátrico
Estudo sugere que o transtorno obsessivo-compulsivo (TOC) infantil e a síndrome de Tourette podem ter origem biológica