Mente Cérebro
Clique e assine Mente Cérebro
Notícias

Estudo identifica sinais de doença mental em cartas à Família Real Britânica

abril de 2009
A Família Real Britânica, 1880, óleo sobre tela de J. Archer.
Nos últimos 15 anos membros da família real receberam 275 cartas que demonstravam sinais de doença mental em seus remetentes
Conviver com o assédio da plebe é algo familiar a qualquer monarca, e com a Família Real Britânica não tem sido diferente, como mostra artigo publicado na revista Psychological Medicine. Assinado por especialistas em psicologia forense, o estudo traz uma análise dos arquivos da Unidade de Proteção Real da Polícia Metropolitana de Londres, no qual há mais de oito mil cartas enviadas, nos últimos 15 anos, à rainha Elizabeth II ou seus herdeiros. Desse total, os autores selecionaram 275 correspondências com sinais sugestivos de doença mental e que foram classificadas em sete grupos.

O maior grupo, com 67 casos, dizia respeito ao que os autores chamaram de “ilusão de identidade real”. Os remetentes não só estavam convencidos de seu sangue azul como reivindicavam o direito à fortuna e aos privilégios reais, freqüentemente anexando árvores genealógicas para “comprovar” sua linhagem nobre. O segundo grupo reuniu 41 pessoas que ofereciam amizade e conselhos pessoais, aparentemente convictos de que eles seriam aceitos.
Outras 28 se colocavam à disposição para opiniões sobre como os monarcas deviam agir politicamente e 30 indivíduos tinham pretensões mais íntimas: estavam certos de que eram amados por algum membro da Família Real, “mesmo que esses ainda não o soubessem”.

Trinta e oito pessoas pediam proteção real por considerarem que estavam sendo perseguidas por terceiros, muitas delas acusando os monarcas de indiferença. Outros oito se julgavam vítimas de perseguição da própria Família Real. No último grupo, com 37 casos, foram reunidas correspondências nas quais não havia motivação clara ou cujas reivindicações eram incompreensíveis, demonstrando, em ambos os casos, algum grau de perturbação mental.

O artigo pode ser lido na íntegra no endereço http://tinyurl.com/dndrej