Mente Cérebro
Clique e assine Mente Cérebro
Notícias

Expandir horizontes para fugir da geladeira

Apreciar paisagens naturais, mesmo por foto, ajuda a tomar decisões menos impulsivas

janeiro de 2015
Camelia Varsescu/Shuttersotck

O ato de apreciar paisagens naturais tem sido associado com diversos benefícios, como alívio de dor, recuperação do estresse e melhora do humor. Um estudo publicado em maio de 2014 na PLoS ONE acrescenta a essa lista a habilidade de controlar os impulsos de forma mais eficaz.

Pesquisadores da Universidade Estadual de Utah chegaram a essa conclusão após um experimento: pediram a três grupos de voluntários que completassem uma tarefa que testava a capacidade de resistir a gratificações instantâneas para adquirir uma recompensa melhor um pouco mais tarde. Antes da atividade e durante ela, um dos grupos observava imagens de montanhas, enquanto os outros viam fotos de edifícios ou triângulos. Aqueles que vislumbraram cenas naturais tomaram decisões menos impulsivas do que o restante.

Experimentos de acompanhamento revelaram que olhar a natureza nos ajuda a pensar mais no futuro, segundo a psicóloga Meredith S. Berry, agora na Universidade de Montana, principal autora do estudo. “Quando o tempo é expandido, fica mais fácil imaginar o que está por vir. Esse efeito parece diminuir nossa inclinação de sucumbir a tentações imediatas”, afirma. Os resultados significam que, mesmo quando estamos presos no trabalho até tarde, ainda podemos colher alguns benefícios cognitivos. Visualizar imagens de paisagens na tela do computador pode contribuir para nos manter longe da geladeira. Ou simplesmente nos acalmar quando nos sentimos confusos, incapazes de dar conta daquilo que estamos sentindo. 

Leia mais

A ciência do autocontrole
Sem dominar nossos impulsos não poderíamos conviver de forma civilizada. Segundo neurocientistas, a capacidade de autocontrole social pode ser compreendida por meio de marcas neurobiológicas

Oxitocina diminui vontade de petiscar
Hormônio reduziu o impulso de "comer por prazer", mas não interferiu nos mecanismos normais de apetite