Mente Cérebro
Clique e assine Mente Cérebro
Notícias

Exposição revela desejos e medos de anônimos de diversos países

Em cinco anos, cerca de 5.600 pessoas foram entrevistadas sobre suas crenças, projetos e desilusões

junho de 2011
good planet, florian geyer
Rostos de várias partes do mundo formam o mosaico nas quatro paredes do mezanino do Masp
A finlandesa Leena Veena, de 60 anos, recorda-se do dia mais feliz de sua vida: foi quando, após nove anos de casamento e com a certeza de que era estéril, descobriu que esperava um bebê. A jovem Yacintha Shuzari, da Tanzânia, conta que reza todas as noites para que nenhum de seus três filhos se torne um ladrão quando crescer – esse é o seu maior medo. Leena e Yacintha estão separadas por quilômetros de distância e por barreiras linguísticas e sociais. Ambas, no entanto, têm receios e esperanças, são humanas – assim como as outras cerca de 5.600 pessoas que responderam à série de perguntas elaboradas pelo fotógrafo francês Yann Arthus-Bertrand. As entrevistas estão reunidas na video-exposição 6 bilhões de outros, em cartaz no Museu de Arte de São Paulo (Masp).


Foram entrevistadas pessoas de 78 países, selecionadas com base na diversidade étnica, etária e religiosa. Elas responderam a 40 questões, entre elas “Qual sua lembrança mais antiga e forte?”, “Para você, o que dá sentido à vida?” e “De que você tem medo?”. As gravações, colhidas ao longo de cinco anos por dezenas de repórteres, podem ser assistidas no interior de oito tendas distribuídas pelo hall do museu. No mezanino, um mosaico de retratos projetado em quatro paredes exibe a variedade dos perfis entrevistados. Há ainda a videoinstalação Mensagens: em nove telas, os entrevistados deixam um recado para os bilhões de pessoas que um dia poderão ouvi-los.


O espectador também tem a chance de integrar a mostra: no fundo das salas de exposição, há computadores onde os visitantes podem responder às perguntas elaboradas por Arthus-Bertrand e registrar seu próprio testemunho. “A proposta é fazer um movimento em direção à outra pessoa, entendê-la e nos sentirmos incentivados a contribuir com nossas próprias experiên-cias para a vida de bilhões de outros”, explica o fotógrafo. Parte dos depoimentos colhidos pelo mundo pode ser assistida (com legendas em inglês) no site do projeto: www.6milliardsdautres.org.