Mente Cérebro
Clique e assine Mente Cérebro
Notícias

Exposição simula desafios de pessoas com deficiência

Cidade acessível tem praça sensorial, ônibus e escola: a ideia é explorar espaços usando vendas nos olhos, abafadores de som ou cadeiras de rodas

dezembro de 2014
Divulgação
Você está em um belo jardim, mas sem o sentido da visão. Na Cidade acessível, o visitante usa vendas nos olhos para conhecer com as mãos a praça sensorial da cidade-modelo construída na Casa de Ciência da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

É possível passear os dedos pela textura das pedras, ouvir o canto de passarinhos (gravações) e aspirar difrentes essências. Essa é uma das partes lúdicas da instalação criada para simular desafios de pessoas com deficiência e com dificuldade de locomoção nos centros urbanos. 

O visitante é convidado a caminhar pelo local usando venda nos olhos, abafadores de som, cadeiras de rodas ou pesos adicionais nos braços e pernas. A ideia é vivenciar os desafios cotidianos de cegos, surdos, cadeirantes e idosos, como subir e acomodar-se em um ônibus. A proposta da exposição é mostrar que a acessibilidade é fundamental em uma sociedade democrática e que frequentar espaços públicos com autonomia é um direito de todos.

A exposição exibe também tecnologias de inclusão social, como o DosVox, que permite acesso à internet a cegos, ou videoguias em Libras. Há curtas--metragens com depoimentos especialmente filmados para a exposição. Vale lembrar que a Casa de Ciência oferece ferramentas de acessibilidade para o público com deficiência visitar as instalações.

Cidade acessível. Casa de Ciência da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Rua Lauro Muller, 3, Botafogo, Rio de Janeiro. De terça a sexta, das 9h às 20h. Sábados, domingos e feriados, das 10h às 20h. Informações: (21) 2542.7494. Grátis. Até 21 de dezembro. 

Leia mais

Ensaio revela vida sexual de pessoas com deficiência
O projeto dinamarquês Ligelyst divulga informações sobre sexualidade para pessoas com limitações físicas ou cognitivas

ONG suíça cria vitrine inusitada para questionar preconceito
A intervenção da Pro Infirms colocou manequins com deficiência em uma famosa loja de roupas em Zurique

Beleza sem preconceitos
Agência criada pela fotógrafa Kica Castro usa modelos com deficiências e já conta com mais de 80 pessoas em seu casting