Mente Cérebro
Clique e assine Mente Cérebro
Notícias

Falta de magnésio aumenta riscos de envelhecimento precoce

Micronutriente encontrado em vegetais de folhas verdes e grãos integrais é importante na prevenção de doenças como pressão alta, problemas cardiovasculares, diabetes e osteosporose

agosto de 2009
© Mary Schowe/iStockphoto
Um novo estudo aponta que a falta de magnésio acelera o envelhecimento das células. Segundo a pesquisa, feita nos Estados Unidos, a deficiência crônica do mineral pode promover ou acelerar doenças relacionadas à idade.

O magnésio é fundamental para uma série de processos biológicos, sejam metabólicos, regulatórios ou estruturais e sua presença é necessária para que muitas enzimas funcionem corretamente. Trata-se de um micronutriente obtido essencialmente da ingestão de vegetais de folhas verdes e de grãos integrais.

Apesar disso, como destaca o estudo publicado na revista Proceedings of the National Academy of Sciences (Pnas), mais da metade da população norte-americana tem falta do mineral, devido principalmente à alimentação não saudável. “A dieta típica dos Estados Unidos se desviou das fontes naturais para opções mais refinadas e frequentemente pobres em nutrientes, fazendo com que a carência de magnésio se tornasse comum”, destacaram os autores. O cenário resulta no aumento no risco de diversas doenças ligadas à idade, como pressão alta, problemas cardiovasculares, diabetes e osteosporose.

Para entender melhor como a deficiência de magnésio contribui para essas doenças, David Killilea e Bruce Ames, do Departamento de Biologia Molecular e Celular da Universidade da Califórnia, em Berkeley, analisaram os efeitos de longo prazo da deficiência moderada do mineral em fibroblastos, células que fornecem a base estrutural para muitos tecidos no corpo humano.

Embora as células tenham sobrevivido e se dividido normalmente em condições com carência de magnésio, elas envelheceram mais rapidamente do que as células que cresceram em concentrações normais do nutriente.

Os autores relacionaram a senescência prematura, em parte ao encurtamento dos telômeros, sequências de DNA que protegem as extremidades dos cromossomos e cujo mau funcionamento tem importante papel tanto no envelhecimento como no desenvolvimento de câncer.