Mente Cérebro
Clique e assine Mente Cérebro
Notícias

FDA aprova novo medicamento para esquizofrenia e transtorno bipolar

Produto deve chegar ao Brasil apenas em 2011

agosto de 2009
Érika Onodera
Cérebro com esquizofrenia - Recentemente pesquisas mostraram que pessoas com esquizofrenia apresentam um aumento da dopamina cerebral quando tem sintomas, como delírios. O neurotransmissor tem a função de determinar a importância que damos às coisas que percebemos e pensamos, processo chamado de “saliência”. Portanto, o aumento da função dopamínica em determinadas regiões cerebrais leva à atribuição de importância (saliência) exagerada a idéias que são pouco prováveis.
O Food and Drug Administration (FDA), órgão americano responsável pela regulamentação de medicamentos e alimentos nos Estados Unidos, aprovou o registro do primeiro medicamento psicotrópico para o tratamento agudo de duas das mais preocupantes psicoses: a esquizofrenia e o transtorno bipolar. O SAPHRIS® (asenapina) estará disponível nos Estados Unidos no quarto trimestre de 2009 e no Brasil apenas em 2011.

A liberação foi embasada em dados de eficácia obtidos em estudos clínicos com mais de 3.000 pacientes com as duas patologias. A aprovação tem por base os estudos sobre esquizofrenia aguda, nos quais o medicamento demonstrou eficácia estatisticamente significativa em relação ao placebo. A esquizofrenia, um transtorno crônico, caracterizado por alucinações, ilusões e pensamento desordenado, afeta cerca de 24 milhões de pessoas em todo o mundo, o que equivale a sete em cada 1.000 adultos. No Brasil, dados do Ministério da Saúde apontam que entre 0,7% a 1% dos brasileiros já sofreram pelo menos um surto. Já o transtorno bipolar, caracterizado por alternância de estados de humor, irritabilidade extrema, redução do sono e episódios depressão, é a sexta principal causa de incapacitação no mundo, afetando aproximadamente de 1% a 5% dos adultos. Segundo a Associação Brasileira de Transtorno Bipolar (ABTB) estima-se que 1,8 a 15 milhões de brasileiros sejam portadores da doença, nas suas diferentes formas de apresentação (tipos I e II).