Mente Cérebro
Clique e assine Mente Cérebro
Notícias

Ficar sozinho incomoda mais do que levar choque elétrico

Muitos preferem qualquer coisa a permanecer sentados em silêncio sem fazer nada

dezembro de 2014

“Todos os problemas da humanidade decorrem da incapacidade do homem de sentar-se calmamente em uma sala sozinho”, disse o filósofo e matemático francês Blaise Pascal em meados do século 17. Faz sentido, segundo uma série de experimentos divulgada na revista Science. No primeiro, pesquisadores pediram aos participantes que simplesmente ficassem alguns minutos em um quarto sem nada para fazer e depois relatassem como se sentiram. Dos 409 voluntários, quase metade afirmou que a experiência foi desconfortante. Quando os cientistas solicitaram que tentassem fazer o mesmo em casa por 6 a 15 minutos, um terço admitiu ter trapaceado.

Em outro teste, 55 participantes foram conduzidos, um a um, a um quarto vazio e tranquilo, sem nada para fazer – a não ser apertar um botão (descrito anteriormente como “desagradável”) que disparava um leve choque elétrico no tornozelo. Durante apenas 15 minutos de solidão, 67% dos homens e 25% das mulheres escolheram a sensação incômoda em vez de simplesmente sentar-se calmamente. 

O psicólogo Timothy Wilson, da Universidade da Virgínia, principal autor do estudo, acredita que, com o amplo acesso a smartphones, tablets e TV, muitos de nós não sabemos o que fazer quando temos tempo de sobra para refletir, sem distração – mas ainda assim os resultados do experimento com o choque são impressionantes. Wilson sugere deixar os momentos ociosos, mesmo nos engarrafamentos e nas salas de espera, mais interessantes e relaxantes – para isso, basta aprender a permanecer sozinho com os pensamentos. 

“Acredito que esse exercício pode ajudar ao menos a encontrar um assunto sobre o qual se gosta de meditar detalhadamente e voltar a ele sempre que quiser, sem precisar começar do zero a cada vez”, conclui. 

Leia mais

Moradores de grandes centros têm maior risco de depressão, ansiedade e esquizofrenia
Pressão social da vida urbana compromete circuitos cerebrais relacionados ao esgotamento físico e mental

Vida social, hábitos culturais e atividade física para melhorar condições de vida nas cidades
Sem mudanças na rotina para combatê-los, o estresse e a solidão podem trazer sérias consequências para o corpo