Mente Cérebro
Clique e assine Mente Cérebro
Notícias

Gene associado ao autismo pode intensificar o consumo de álcool

Cientistas encontram novas evidências relacionadas a fatores hereditários

abril de 2011
© Roman Sigaev/Shutterstock
Fatores genéticos podem influenciar na ingestão de bebidas alcoólicas. Diversos profissionais da saúde já concordavam com essa afirmação, mas agora uma pesquisa publicada pela Proceedings of the National Academy of Sciences embasa a suspeita. Para investigar a hipótese os pesquisadores, coordenados por cientistas do Imperial College London e King’s College London, na Inglaterra, analisaram amostras de DNA de mais de 26 mil voluntários em busca de genes que pudessem intensificar o consumo de álcool e compararam os resultados com os de outros 21 mil participantes. Após cruzamento de dados os estudiosos chegaram à conclusão de que um gene relacionado ao autismo e ao transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH), chamado candidato para suscetibilidade ao autismo número 2 (AUTS2, em inglês), pode estar associado também ao alcoolismo. Nesse experimento foram encontradas duas versões do AUTS2, uma três vezes mais comum que a outra. Além disso foi descoberto que pessoas com o tipo mais raro bebem em média 5% menos álcool que as outras.

O AUTS2 se mostrou mais ativo nas regiões cerebrais associadas a mecanismos de recompensas neurofisiológicas, o que sugere que o gene possa ter um papel importante na resposta à ingestão de bebidas alcoólicas. Apesar de os resultados ainda parecerem baixos, os responsáveis pelo trabalho estão animados: “A diferença promovida por esse gene específico é pequena, mas, ao descobrir o seu papel, abrimos uma nova área na pesquisa sobre os mecanismos biológicos que controlam o consumo de álcool”, disse o psiquiatra Paul Elliott, da Escola de Saúde Pública do Imperial College London. O psiquiatra Gunter Schumann, do Instituto de Psiquiatria do King’s College London, também acredita na importância da descoberta: “Este é um passo importante em busca do desenvolvimento de prevenções e tratamentos individuais para o abuso de álcool e para o alcoolismo”.