Notícias
07 de outubro de 2011
Homem ou mulher?
Um mesmo retrato pode ser considerado feminino ou masculino, dependendo do lado em que é mostrado
 
© De-V/Shutterstock
Imagine a seguinte cena: você está no ônibus e, de repente, alguém senta ao seu lado. Sem olhar para a pessoa, você diria que o novo passageiro é homem ou mulher? Segundo pesquisadores da Universidade Harvard, em Boston, a resposta depende de um dado inusitado: se seu vizinho acomodou-se à sua direita ou à sua esquerda. Para mostrar como funciona esse mecanismo de percepção, o psicólogo Arash Afraz orientou 11 voluntários a olhar fixamente para um ponto no centro de uma tela enquanto eram mostradas fotos de rostos em diferentes locais de seu campo visual. Os participantes deveriam dizer se o retrato era de homem ou de mulher. O que eles não sabiam, no entanto, é que todas as imagens foram feitas a partir da fotografia de uma única pessoa. Pequenas alterações no computador deixaram o modelo com diferentes aparências, que variavam entre jovem e idoso e muito masculino e indiscutivelmente feminino.

Os pesquisadores acompanharam em especial as avaliações das imagens andróginas, que se revelaram relacionadas à posição no campo visual: um mesmo retrato era considerado feminino ou masculino dependendo do lado em que era mostrado. Os voluntários, porém, divergiram em relação ao tipo de distorção de percepção: alguns afirmaram com mais frequência que rostos que apareceram no alto, à esquerda, eram femininos; outros tiveram essa impressão quando as fotografias foram exibidas embaixo, à esquerda.


O experimento foi repetido com imagens de tamanhos maiores. Mas, para manter o nível de dificuldade do teste, a ampliação das fotos foi acompanhada por uma maior elaboração nas mudanças feitas pelo programa de computador. Mesmo assim as avaliações dos retratos maiores variaram menos.


Segundo Afraz, isso ocorre porque entre as células especializadas do córtex cerebral – que processam informações sensoriais como formato, cor e movimento com base nos estímulos captados pelas células fotorreceptoras da retina – existem unidades relacionadas à percepção de gênero e de idade. No caso das imagens maiores há estímulos mais pronunciados de outros neurônios – e uma percepção global –, por isso as distorções específicas são especialmente evidentes nas fotos menores.