Mente Cérebro
Clique e assine Mente Cérebro
Notícias

Homens de fato estacionam melhor que mulheres?

Em geral, elas não confiam na própria habilidade como motorista

outubro de 2010
© eric hood/istockphoto
Muita gente defende a tese de que “homens conseguem estacionar melhor que mulheres”. Resta saber se a afirmação tem algum respaldo de verdade ou é apenas mais uma dessas frases machistas que cada vez mais perdem força diante dos bons desempenhos femininos. Para irritação de algumas motoristas, estudos têm mostrado que, embora haja exceções, eles costumam ser mais habilidosos na hora de manobrar e parar o carro em uma vaga. Ao que tudo indica, essa diferença entre os gêneros (que aparece também entre condutores iniciantes) se baseia na vantagem masculina em relação à visão espacial e na opinião positiva que eles têm sobre si. Isso é o que mostram os resultados de um estudo realizado por uma equipe coordenada pelo psicólogo Onur Güntürkün, da Universidade de Bochum, na Alemanha. Alguns anos depois de tirar a carteira de habilitação, a autoimagem de cada um como motorista tem grande influência em sua capacidade de estacionar.

Os psicólogos de Bochum pediram a 65 voluntários, 30 mulheres e 35 homens, para estacionar várias vezes: de frente, de ré e de lado. As voluntárias eram, segundo elas mesmas, tão experientes quanto os homens, mas avaliavam sua habilidade na direção de forma modesta em comparação aos colegas do sexo masculino. Durante o teste, elas precisaram de mais tempo para colocar o carro na posição desejada e ainda assim, quando precisavam estacionar de lado, o automóvel não ficava exatamente posicionado nas marcações. Para frente e de ré, porém, todos os voluntários paravam com a mesma facilidade. Na fase seguinte do experimento, os cientistas testaram a capacidade de visualização espacial dos voluntários e os resultados mostram que, conforme o esperado, homens tiveram pontuação melhor. Em relação a motoristas iniciantes os estudiosos concluíram que quanto mais acertavam a manobra mais rapidamente estacionavam. Essa performance dependia exclusivamente da convicção pessoal de ser um bom ou mau motorista. Já entre os experientes, a autoavaliação era decisiva tanto para rapidez quanto para precisão ao estacionar. Assim, os pesquisadores concluíram que a visão espacial era fator decisivo apenas para os menos experientes. Com o aumento da prática, essa característica perde a importância, pois as ações se tornam automáticas.