Mente Cérebro
Clique e assine Mente Cérebro
Notícias

Hormônio da fome ajuda a entender a dependência de álcool

Descoberta há dez anos, a grelina ajuda o organismo a controlar o peso, fazendo parte de um complexo sistema que regula a ingestão de alimentos e o consumo de energia

julho de 2009
Divulgação
Um hormônio produzido no estômago e que induz a fome parece ter um papel importante no desenvolvimento da dependência do álcool, segundo estudo que será publicado na revista Proceedings of the National Academy of Sciences. Descoberta há dez anos, a grelina tem chamado a atenção de neurocientistas. Ela ajuda o organismo a controlar o peso, fazendo parte de um complexo sistema que regula a ingestão de alimentos e o consumo de energia. Na nova pesquisa, pesquisadores da Universidade de Gotemburbo, Suécia, descrevem que a administração desse hormônio em camundongos levou a um aumento no consumo de álcool. Por outro lado, ao bloquear a ação da grelina constataram uma diminuição na ingestão da droga.

Estudos anteriores haviam identificado a presença de receptores de grelina em áreas específicas do cérebro que têm papel importante no sistema responsável pela sensação de recompensa. Como esses mecanismos parecem mediar a recompensa no caso da ingestão de alimentos e de bebidas alcoólicas, os pesquisadores do novo estudo estimaram que a grelina poderia mediar a dependência de álcool. A administração direta do hormônio em áreas do cérebro responsáveis pelos sistemas de recompensa nesses animais levou a um aumento de cerca de 45% no consumo de álcool, na comparação com os que receberam uma solução salina. O consumo de álcool também diminuiu quando os autores administraram compostos que interferem com a sinalização da grelina.

Os camundongos com sinalização reduzida do hormônio aparentaram estar menos suscetíveis às propriedades de recompensa do álcool porque seus cérebros produziam menos dopamina. Segundo os autores, os efeitos de recompensa do álcool formariam uma parte intrínseca do processo de dependência. A descoberta revela um alvo potencial para novas terapias para tratamento de alcoolismo. (Da Agência Fapesp)