Mente Cérebro
Clique e assine Mente Cérebro
Notícias

Levar o cão para o trabalho diminui o estresse

Bicho de estimação estimula interação com colegas e faz o ambiente parecer menos hostil 

outubro de 2012
© Monkey Business Images / Shutterstock
Pode parecer excêntrico para alguns, mas levar o cachorro para o trabalho torna a rotina mais amena, tanto para o dono do animal como para os colegas. Segundo estudo publicado no Journal of Workplace Health Management, pessoas que passam o dia em companhia de seu bicho de estimação apresentam menores níveis de hormônios associados ao estresse, como o cortisol, ao fim do dia.

Pesquisadores da Universidade Virginia Commonwealth colheram, durante uma semana, saliva de 450 funcionários de uma empresa de varejo que permite a presença dos bichos de estimação. Aproximadamente 30 deles levaram seus cachorros para o trabalho pelo menos um dia durante a pesquisa. Nesse grupo, o nível de estresse diminuiu da manhã para a noite, ao contrário das pessoas que deixaram seu bicho em casa e das que não tinham um. Estas, aliás, apresentaram maiores quantidades de cortisol.          

O aumento da sensação de bem-estar não ficou restrito aos proprietários dos animais, conforme constatado por meio de questionários e entrevistas. Observações como “ter cães aqui alivia o estresse”, “os bichos aumentam a cooperação” foram recorrentes. “A presença dos cães motivou a interação com os colegas e o ambiente de trabalho foi percebido como mais amigável”, diz o autor da pesquisa, Randolph Barker, ressaltando que os animais que participaram do estudo eram “educados e limpos, de forma a não causar incômodo”.

O mecanismo de estresse é essencial para a sobrevivência: ao perceber uma ameaça, o cérebro coloca o corpo em estado de alerta – o coração acelera, a pressão sobe e as glândulas suprarrenais secretam hormônios. No entanto, se a exposição a estímulos estressores é intensa e constante, o organismo pode ficar debilitado. Não por acaso, a síndrome de burnout, isto é, estresse intenso ligado ao trabalho, afeta cada vez mais pessoas. A presença do cão, sugere o estudo, ajudaria o cérebro a relaxar e a interpretar o ambiente como menos hostil. Barker pretende repetir a pesquisa em outras empresas, com mais voluntários.