Mente Cérebro
Clique e assine Mente Cérebro
Notícias

Longa brasileiro aborda insatisfação sobre a vida

Ganhador de sete prêmios no Festival de Cinema de Brasília, Era uma vez eu, Verônica, trata da relação de psiquiatra com seu próprio sofrimento por meio do contato com as pessoas que atende

fevereiro de 2013
Patricia Porchat
Divulgação
A realidade é dura. O filme Era uma vez eu, Verônica é o avesso de um conto de fadas. Nada é mágico, tampouco encantador. A realidade ali aparece nua e crua. A protagonista é uma jovem recém--formada em medicina que inicia residência em psiquiatria no Hospital Central de Recife. Pacientes de verdade participam da filmagem. A loucura aparece tal qual é de fato: confusa, bruta, deprimente e invasiva. A cidade é mostrada em sua feiura – cinza, suja, sem graça. Não é um filme de ação. O que sobra para o espectador?  Uma grande atriz, Hermila Guedes, ajudando Verônica a se tornar paciente de si mesma. O filme ganhou sete prêmios no Festival de Cinema de Brasília, 2012.

Corajoso, o filme prescinde de grandes momentos dramáticos. Apenas acompanhamos Verônica em suas descobertas: profissão, amor, sexo. A personagem se relaciona, mas não ama. Onde há sexo, há Verônica. Mas onde há Verônica, não há amor. O que exatamente lhe falta para ser feliz?  Tem amigos, um pai que a adora, uma profissão e um emprego, um namorado que a quer cada dia mais... Verônica não sabe. Olha muito para mulheres desconhecidas e também é olhada. Será que as deseja? Tem vontade de ser cantora, mas é médica. Namora firme, mas beija outros homens e mantém relações sexuais com vários deles em qualquer folia do carnaval.

No começo de seu traballho como psiquiatra, Verônica admite que o que aprendeu na teoria não lhe serve na prática. Não sabe escutar, não sabe perguntar. Não sabe o que fazer com os pacientes nem consigo própria. Mas conversa com seu gravador. Uma primeira fala nos revela que usou o aparelho para auxiliá-la nos estudos – e não pretende usá-lo mais. Mas sua angústia a leva novamente a falar e a escutar a própria fala.  Primeiramente, diz que falará da paciente Verônica. Numa segunda vez, a paciente é “eu mesma”. Por último, Verônica se diz “paciente de mim mesma”. É nesse momento que parece alcançar certa liberdade. 

Verônica é paciente porque sofre, mas passa boa parte de sua vida sem saber o motivo disso. A relação com os pacientes se dá de maneira igual.  Num primeiro momento, seu “coração de pedra” – como ela mesma diz – não sabe o que fazer com o outro. O impacto diante de um paciente catatônico revela a paralisia de sua própria alma. Sua impaciência com a paciente depressiva revela aquilo que evita.  Podemos fazer um paralelo com a psicanálise e pensar que somente quando nos tornamos pacientes de nós mesmos é que olhamos de forma diferenciada para o próprio sofrimento. É possível dizer que Verônica sofre porque está aprisionada num determinado padrão social que espera da mulher que se dirija de modo doce e romântico ao casamento. Sofre porque transgride as normas e se furta às cobranças. Mas isso seria reduzir demais o filme. Ou ainda, que sofre porque seu pai está idoso e não vai viver muito tempo. Mas esse é o destino de todos os filhos que se tornam adultos – os pais envelhecem. É justamente porque não sabe o motivo de seu sofrimento que Verônica pode caminhar de uma situação de alienação para um momento de perguntar-se “Quem sou eu?” ou “O que desejo?”.

Verônica sofre por não se perguntar (seja lá o que for). O filme, por sua vez, nos deixa uma questão: o pai de Verônica está sempre em casa, olhando fotos, escutando frevos e às vezes bebericando. O afeto de Verônica aparece de modo intenso e exclusivo dirigido ao pai. O filme não traz uma única referência sobre a mãe. Falar dela é tabu? Mas como contar nossa história – era uma vez... – se não falarmos sobre a nossa origem?

O filme inicia e termina com uma cena de sexo grupal na praia. Mar, sol, corpos e prazeres. Fantasia das origens? Origem das fantasias?   Verônica alimenta a alma nessa cena paradisíaca. Ao perguntar a alguém quem ele definitivamente é, é importante não esperar uma resposta que, definitivamente, irá nos satisfazer. Toda história tem algo de conto de fadas. Toda narrativa de si tem um limite. O psicanalista francês Jean Laplanche sustenta que o limite para uma plena articulação de si são as esmagadoras e enigmáticas impressões vindas do mundo adulto em sua especificidade sobre a criança. Elas marcarão para sempre a sua formação como sujeito.

Era uma vez eu, Verônica. 90 minutos – Brasil, 2012. Direção: Marcelo Gomes. Elenco: Hermila Guedes, João Miguel, W. J. Solha, Renata Roberta, Inaê Veríssimo.