Mente Cérebro
Clique e assine Mente Cérebro
Notícias

Micro-organismos que afetam a mente

Bactérias podem causar alterações neurais e influenciar no processamento de emoções e no desempenho cognitivo

fevereiro de 2014
Science Source (1,2,4); Dennis Kunkel (3)
(1) Helicobater pylori, (2) e (4) Lactobacilli, (3) B. animalis subsp. lactis
Infecções bacterianas ou mesmo casos em que microorganismos caem por acaso na corrente sanguínea (causando até sintomas de depressão) podem ter efeitos sobre o cérebro e sobre a cognição. Algumas dessas alterações podem ter efeitos positivos, como diminuição da ansiedade. Outras prejudicam o desempenho escolar, por exemplo. E há ainda outras alterações, que, ainda que já observadas, ainda não encontram explicações entre os cientistas. Descubra algumas das bactérias que podem afetar a mente:

1. Helicobater pylori: é a principal causa de úlcera no estômago. A infecção em crianças por essa bactéria foi associada à piora do desempenho escolar. Isso sugere relações entre sua presença na corrente na sanguínea e problemas no desenvolvimento cognitivo

2. Lactobacillus helveticus e Bifidobacterium longum: a primeira é usada na produção de vários tipos de queijo; a outra pertence a um dos maiores grupos que compõem a flora intestinal. Pesquisas com pessoas sadias que consumiram suplementos probióticos (micro-organismos vivos benéficos ao organismo)compostos dessas bactérias apresentaram redução nos sintomas de ansiedade e depressão

3. Bactéria probiótica B. animalis subsp. lactis, Streptococcus thermophilus, L. delbrueckii subsp. bulgaricus, L. lactis subsp. lactis: mulheres sadias que ingeriram iogurte com essas bactérias mostraram redução de atividade em regiões do cérebro que processam emoções e sensações físicas. Pesquisadores ainda não sabem se esses efeitos são benéficos e não desvendaram a causa das alterações neurais

4. Lactobacilli: estudantes sadios apresentam menores quantidades dessa bactéria quando estão enfrentando períodos de provas do que em momentos menos estressantes do semestre, o que reforça a ideia de que o equilíbrio da flora intestinal é alterado pelo estresse e pelas emoções.