Mente Cérebro
Clique e assine Mente Cérebro
Notícias

Montagem tem protagonista com síndrome de savant

Versão brasileira de "Rain Man" é dirigida por José Wilker e tem Marcelo Serrado no papel principal

maio de 2013
Priscila Prade
Quando adolescente, o americano Kim Peek era capaz de ler duas páginas de um livro ao mesmo tempo, uma com cada olho, e reter todas as informações. Foi assim que conseguiu memorizar mais de 12 mil livros, entre eles a Bíblia e toda a obra de William Shakespeare. No entanto, tinha dificuldades motoras, de comunicação e de socialização. Dependia de ajuda para tomar banho e comer até sua morte, em 2009, aos 59 anos. Caso raro de síndrome de savant – uma intrigante combinação de deficiência cognitiva e brilhantismo intelectual, geralmente relacionada ao autismo –, Peek foi a inspiração para o personagem de Dustin Hoffman no filme Rain man, de 1988, que recebe adaptação homônima para os palcos, com direção de José Wilker.

Charlie Rabbit é um vendedor de carros ambicioso que recebe a notícia de que toda a herança de seu pai foi deixada para um irmão mais velho de quem mal se lembra: Raymond (interpretado por Marcelo Serrado), diagnosticado com um tipo severo de autismo. Na tentativa de exigir judicialmente metade do dinheiro, ele passa a conviver com o irmão e se surpreende ao descobrir sua incrível capacidade de memorização e de fazer cálculos com rapidez. Decide então aproveitar esse talento para lucrar em jogos de azar em cassinos. Seus planos de se livrar do irmão o mais rápido possível, porém, são confrontados pelo inesperado afeto que começa a surgir quando ele descobre que Raymond habita suas lembranças do passado como Ray man, seu amigo imaginário.

Rain man.
Teatro Vivo. Avenida Chucri Zaidan, 860, Morumbi, São Paulo. Sexta, às 21h30. Sábado, às 21h. Domingo, às 18h. Informações: (11) 7420-1520. R$ 50 (sexta e domingo) e R$ 70 (sábado). Até 2 de junho.

Leia mais:

Arredios e geniais

Em torno de si mesmo