Mente Cérebro
Clique e assine Mente Cérebro
Notícias

Morre aos 73 anos o escritor gaúcho Moacyr Scliar

Colunista de Mente e Cérebro e membro da Academia Brasileira de Letras, o autor teve falência múltipla de órgãos na madrugada do último domingo

fevereiro de 2011
© Beto Scliar
Morreu ontem, 27 de fevereiro, o escritor e colunista de Mente e Cérebro Moacyr Scliar. O autor de 73 anos teve falência múltipla de órgãos, a 1h da manhã, no Hospital de Clínicas de Porto Alegre, onde estava internado desde o início de janeiro por causa de uma cirurgia para retirar tumores do intestino.


Poucos dias após a intervenção, ele sofreu um acidente vascular cerebral (AVC) isquêmico, sendo encaminhado para o Centro de Terapia Intensiva (CTI) do hospital. Após aparente melhora, seu estado de saúde foi agravado por uma infecção respiratória. O escritor permaneceu sedado e respirando por aparelhos até a madrugada do último domingo.


Nascido em Porto Alegre em 1937 e formado em medicina, o escritor foi colaborador de Mente e Cérebro desde o primeiro número da revista, publicado há seis anos. Em suas colunas, aproximou literatura e mundo psíquico, analisando aspectos psicológicos presentes nas obras de grandes escritores ou simplesmente escrevendo sobre sua visão das relações humanas como médico e interessado pelo tema.


Scliar cresceu no bairro do Bom Fim, na capital gaúcha, conhecido pela concentração de imigrantes judeus. As tradições judaicas, a desilusão com o socialismo, desafios da saúde pública e o cotidiano da classe média são temas recorrentes em sua obra, heterogênea e difícil de ser encaixada em um único estilo literário. Publicou mais de 70 livros, que transitam por vários gêneros literários. Entre suas produções mais conhecidas, estão os romances Sonhos tropicais(1993) e A mulher que escreveu a Bíblia(2000) e o conto O olho enigmático(1988). Ele tornou-se membro da Academia Brasileira de Letras (ABL) em 2003.
Seu fascínio pela complexidade psicológica do homem é revelado principalmente no romance Manual da paixão solitária (2008), que lhe valeu um dos três prêmios Jabuti (a mais reconhecida premiação literária do Brasil) recebidos ao longo de sua trajetória. Dois personagens apaixonados se alternam na narrativa de uma intriga familiar, que envolve casamentos arranjados e crenças religiosas – hábil observador do comportamento humano, Scliar deixa nítido que a história pessoal de cada um deles determina o ponto de vista apresentado ao leitor. As paixões e sua relação com a saúde foram tema do texto republicado na última edição de Mente e Cérebro (nº 218, de março).


O corpo de Moacyr Scliar será enterrado hoje no Cemitério Israelita de Porto Alegre, em uma cerimônia restrita aos amigos e familiares.