Mente Cérebro
Clique e assine Mente Cérebro
Notícias

Mostra propõe reflexão sobre arte e psicanálise

70 obras entre pinturas, esculturas e instalações estão expostas no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro (MAM Rio)

maio de 2015
Vicente de Mello

Carlos Zilio. Autorretrato, 1973. Vinílica e hidrocor sobre tela.135 x 85 cm/ 136 x 86 x 3 cm. Coleção Gilberto Chateaubriand MAM Rio.

 

No ensaio Escritores criativos e devaneio (1908), Freud escreve sobre o prazer estético. Para o criador da psicanálise, uma obra de arte oferece ao espectador a possibilidade de se deleitar com o que se vê, lê ou ouve sem recriminação ou vergonha. Isso ocorre porque, ao mesmo tempo que contém conteúdos psíquicos com os quais podemos nos identificar, a produção artística é percebida como um objeto não real.

Em cartaz no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro (MAM Rio), a mostra Ver e ser visto propõe uma reflexão sobre as relações entre arte e psicanálise. São 70 pinturas, esculturas e instalações de 60 artistas brasileiros e estrangeiros, pertencentes às coleções do museu. A seleção das obras e sua exposição foram desdobramento de um curso homônimo, ministrado no MAM Rio em 2014. “Toda experiência estética é a de remissão ao objeto perdido e, por isso mesmo, incessantemente buscado por cada um de nós”, diz o psicanalista Guilherme Gutman, curador da mostra e professor do curso.

Os trabalhos estão divididos em quatro módulos. O primeiro, Do vazio à coisa, traz a concepção de que a arte é uma construção em torno do vazio, capaz de despertar sentimentos, reflexões, impressões de acordo com o olhar do espectador. Outro, Ser visto, trata do desejo que o artista tem de mostrar, revelado em autorretratos (ou selfies). O terceiro, Reencontro, aborda a arte como expressão de conteúdos reprimidos. Por fim, Desvelamentos traz obras que usam jogos de palavras para provocar interpretações de acordo com a visão de mundo do observador.

Ver e ser visto.
Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro (MAM Rio).
Avenida Infante Dom Henrique, 85, Parque do Flamengo, Rio de Janeiro.
De terça a sexta, das 12h às 18h. Sábado, domingo e feriado, das 12h às 19h.
Informações: (21) 3883-5600. R$ 14.
Até 19 de julho.

 

Leia mais

Loucura em cena
No cinema, os distúrbios psíquicos, antes estereotipados, passaram de expediente narrativo a fenômeno passível de compreensão.

Psicanálise para desvendar forças invisíveis
Com Freud surge a noção de que não podemos acessar grande parte da mente, impulsinando o estudo sobre a metacognição