Mente Cérebro
Clique e assine Mente Cérebro
Notícias

Muito além da depressão

Medicamentos da classe ISRS têm sido prescritos para o tratamento de diferentes transtornos mentais

novembro de 2014
Amphaiwan/Shutterstock
A maioria das pessoas certamente já ouviu falar desses medicamentos, mas poucas sabem como atuam no cérebro e que seu uso na medicina vai além do controle dos sintomas da depressão. Antidepressivos são fármacos capazes de modificar a transmissão neuroquímica do cérebro, aumentando a concentração de substâncias relacionadas ao humor e à sensação de bem-estar. Os inibidores seletivos da recaptação da serotonina (ISRSs) são atualmente a classe mais prescrita. A seguir, os usos aprovados pela Food and Drug Administration (FDA), o órgão de regulação de drogas e alimentos nos Estados Unidos.

Prescrições off-label

Estudos mostram que entre 25% e 60% das prescrições são off-label, termo em inglês que se refere a indicações não contidas na bula. Os usos mais comuns de ISRSs incluem: 


-Abuso de drogas e dependência química-Autismo (em crianças) -Fibromialgia-TDAH (em crianças e adolescentes) -Transtorno bipolar 
-Transtornos de ansiedade -Transtornos alimentares-Transtorno obsessivo-compulsivo -Transtorno disfórico pré-menstrual -Dor neuropática
Em investigação

SRSs têm se mostrado promissores em testes clínicos para o tratamento de artrite, problemas decorrentes de AVC, neuropatia diabética, síndrome do intestino irritável, enxaqueca, síncope neurocardiogênica (desmaio) e ejaculação precoce.

Repertório em expansão

Abaixo, os cinco ISRSs que foram aprovados nos Estados Unidos e os anos em que foram liberados para comercialização
Leia mais

Conheça os 6 tipos mais comuns de transtorno de ansiedade
Reunidos sob a classificação de "ansiedade patológica" estão distúrbios com diferentes sintomas e que exigem tratamentos diversos

História dos antidepressivos
No decorrer dos séculos, médicos já receitaram ópio, anfetaminas e cocaína para tratar transtornos do humor

Entre riscos e benefícios
O uso continuado de antidepressivos por crianças e adolescentes pode levar a alterações imprevisíveis na química e na estrutura cerebral