Mente Cérebro
Clique e assine Mente Cérebro
Notícias

Museu do Amanhã promove discussão sobre pesquisa e uso de minicérebros de laboratório

Especialista da UFRJ, Stevens Rehen abordará aplicação de metodologia para testar remédios que promete poupar animais

junho de 2016
DIVULGAÇÃO
O Observatório do Museu do Amanhã promove no próximo sábado, dia 11, às 15h, o evento Minicérebros de laboratório: uma revolução na medicina?, com Stevens Rehen, professor titular do Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade Federal do Rio de Janeiro (ICB-UFRJ), pesquisador do Instituto D’Or de Pesquisa e Ensino e coordenador do Projeto de Criação do Biobanco de Células-Tronco de Pluripotência Induzida (iPS) do Ministério da Saúde. O evento será mediado por Sérgio Brandão, diretor-geral da produtora VideoCiência e cocriador do programa de TV Globo Ciência. 

O desenvolvimento de minicérebros vem revolucionando e instigando cientistas em todo o mundo. Esses pequenos aglomerados de neurônios adultos podem ser o próximo passo no teste de remédios no mundo, um estímulo à Indústria para a redução de estudos com animais. Como será a pesquisa científica em áreas como a neurociência no futuro? O que se pode esperar destas novas possibilidades e que oportunidades se abrem? Como é o dia a dia e o processo criativo de quem faz pesquisa biomédica de ponta? Essas e outras questões serão abordadas no evento, gratuito, com vagas limitas e inscrições pelo site do Museu do Amanhã. 

Stevens Rehen foi um dos responsáveis pela pesquisa 100% brasileira, realizada com minicérebros criados em laboratório, que conseguiu simular os danos provocados pelo Zika Vírus logo nos primeiros dias de desenvolvimento do embrião. O estudo, publicado pela renomada revista americana Science, concluiu que os minicérebros infectados cresceram 40% menos que os órgãos não expostos ao vírus, sendo mais uma importante contribuição à hipótese de que o Zika seja o responsável pelo aumento de casos de microcefalia.


Minicérebros de laboratório: uma revolução na medicina?
11 de junho, das 15h às 16h30.
Observatório do Amanhã, Museu do Amanhã (Praça Mauá, nº1). Rio de Janeiro, RJ.