Mente Cérebro
Clique e assine Mente Cérebro
Notícias

Música traz alívio rápido para a dor

Acordes suaves ajudam pacientes no pós-operatório

maio de 2014
Jenni Laidman
Tarchyshnik Andrei/Shutterstock
Alguns apostam que é exagero, mas se tomarmos como base vários estudos é bastante possível que, em breve, hospitais comecem a entregar um aparelho de MP3 aos pacientes para acelerar seu processo de recuperação. Um estudo realizado no Centro Médico Regional Nossa Senhora do Lago, em Baton Rouge, demonstrou que uma terapia de música ambiente provocou efeitos positivos na recuperação de pacientes na fase pós-operatória: ajudou a melhorar a maneira das pessoas de lidar com a dor e diminuiu reações negativas relacionadas aos ruídos em geral. 

Nesse estudo, todos pacientes diagnosticados com câncer foram submetidos a cirurgia e tiveram cuidados padrão. Metade deles, no entanto, recebeu um MP3 pré-programado com música ambiente (canções sem palavras, com volume menor do que 60 decibéis).Essas pes­soas foram incentivadas pelas enfermeiras a ouvir o som por pelo menos meia hora depois de tomar a medicação, duas vezes ao dia.

Antes do tratamento todos os voluntários tinham apresentado níveis muito semelhantes de ansiedade, dor e irritação com o ruído ambiente. Três dias depois, aqueles que ouviam as músicas gravadas se mostraram capazes de lidar melhor com o desconforto físico e se sentiam bem menos incomodados com ruídos do hospital. Já os pacientes que não receberam MP3 não experimentaram nenhuma mudança.

Os resultados do estudo foram publicados no periódico científico Nursing em 2013. Os responsáveis pelo estudo lembram que a  maioria de nós acredita que ouvir música ajuda a lidar com dores emocionais – e usa esse recurso. Os resultados da pesquisa sugerem que podemos agir da mesma forma para amenizar a dor física.

Leia mais

Cantar faz o treino render

Mais eficiente do que só ouvir música, cantar ativa o controle motor emocional e facilita a prática de exercícios

Música animada ajuda a melhorar o humor

Participantes de estudo que escutaram canções sombrias apresentaram maior dificuldade em incrementar a disposição