Mente Cérebro
Clique e assine Mente Cérebro
Notícias

Neurobiologia da fúria

A raiva não atua apenas no cérebro, mas em todo o corpo

maio de 2015

Sebastian Kaulitzki/Shutterstock (corpo humano); Fernando da Cunha/bsip/alamy/Latinstock (detalhe); Arte de João Simões e texto de Fernanda Teixeira Ribeiro; a localização das estruturas é apenas aproximada

Várias regiões e estruturas do cérebro participam das respostas emocionais e sua regulação. Raiva, bem como demais emoções, não envolvem apenas o sistema nervoso, mas todo o organismo.

1. Amígdala: estrutura primitiva do cérebro, associa estímulos a emoções. Ela se interconecta ao hipocampo e à área pré-frontal (veja abaixo), entre outras estruturas e regiões*. De forma básica, a amígdala relaciona eventos negativos a emoções desagradáveis. Tem grande importância para o mecanismo de “luta ou fuga”, reação fisiológica que nos prepara para enfrentar situações de risco.  Animais que tiveram essa estrutura removida em experimentos ficaram dóceis e indiferentes a qualquer perigo.

2. Hipocampo: região importante para a memória e a aprendizagem. Permite arquivar experiências, agradáveis e desagradáveis.

3. Córtex pré-frontal: responsável pelas funções cognitivas superiores, tem importante papel na inibição de impulsos e planejamento de ações. Essa região nos leva a frear comportamentos capazes de prejudicar a nós mesmos ou aos outros. Sua intensa conexão com o tálamo, a amígdala e outras estruturas subcorticais sinalizam seu papel na regulação da expressão dos afetos.

4. Coração: a amígdala envia sinais para as glândulas suprarrenais e é liberada grande quantidade de adrenalina, que acelera os batimentos cardíacos. O sangue irriga pele e órgãos, preparando os músculos para uma possível ação.

* Responsável pelas  emoções e comportamentos sociais, o sistema límbico envolve outras estruturas além da amígdala e hipocampo, como tálamo, hipotálamo e tronco cerebral

Leia o texto completo: "Formas mais inteligentes de lidar com a raiva", capa da edição de maio de 2015 de Mente e Cérebro, disponível na Loja Segmento: http://bit.ly/1DKrwmD

 

Leia mais:

Louco de Raiva
Também a irritação e a raiva têm sua utilidade, basta que a gente aprenda a lidar com elas.

Expressar raiva pode fazer bem à saúde – mas depende do contexto
A crença de que manifestar raiva é prejudicial deve ser relativizada de acordo com a cultura