Mente Cérebro
Clique e assine Mente Cérebro
Notícias

Novo exame promete diagnóstico precoce de Parkinson

O método poderá identificar tanto os pacientes no estágio inicial da doença como pessoas com risco de apresentar sintomas no futuro

julho de 2014
Shutterstock
Cientistas da Universidade de Oxford, no Reino Unido, desenvolveram uma técnica simples e rápida que promete detectar precocemente a doença de Parkinson. A patologia causa perda progressiva de células cerebrais por um longo tempo antes que os sintomas do paciente apareçam. Se diagnosticada a tempo, porém, ela pode ser mais facilmente controlada.

Usando a técnica de imagem de difusão por ressonância magnética (MRI), os pesquisadores compararam a força das redes neurais dos gânglios da base (área onde a doença se manifesta) de 19 pacientes com os primeiros sinais de Parkinson que não haviam começado a usar medicação com a de 19 voluntários saudáveis, levando em consideração fatores como idade e sexo. Os cientistas observaram nas pessoas com a patologia menor conectividade na região afetada e definiram um limiar para o diagnóstico. Na sequência, submeteram outros 13 pacientes com o mesmo grau de comprometimento ao método e constataram que em 85% dos casos foi possível detectar a doença de precisão. Os pesquisadores refizeram o experimento com outro grupo e observaram resultado semelhante, segundo artigo publicado na Neurology.

“Com um exame simples, encontramos um excelente marcador biológico capaz de nos ajudar a identificar sintomas iniciais de Parkinson”, comemora a psiquiatra Clare Mackay, uma das autoras do estudo. A doença neurodegenerativa atinge aproximadamente 4 milhões de pessoas no mundo, e esse número pode dobrar até 2040.

Leia mais

Terapia com células-tronco contra doenças degenerativas
A reposição de células pode ser uma maneira de manter as funções cognitivas e deter patologias como Alzheimer, Parkinson, Huntington e esclerose lateral amiotrófica

Pesticidas ajudam a entender Parkinson
Substâncias agem sobre as mesmas estruturas cerebrais atacadas pela doença