Mente Cérebro
Clique e assine Mente Cérebro
Notícias

O lado bom da dupla jornada

Mães que trabalham chegam à maturidade mais saudáveis e esbeltas.

julho de 2006
Atividade profissional ajuda mães a se manter em forma
Trabalhar, educar os filhos, administrar a casa - não é fácil a vida da mulher-elástico (ver "Mulher-elástico", Mente&Cérebro no 161). A boa notícia é que essa intensa rotina pode trazer benefícios à saúde.

Avaliadas aos 50 anos, mães que sempre trabalharam estavam mais saudáveis e mais magras do que aquelas que se dedicaram exclusivamente à casa e aos filhos: é o que aponta uma pesquisa britânica.

Participaram do estudo 1.563 mulheres nascidas em 1946. Anne McMunn e sua equipe da Universidade de Londres coletaram informações sobre o desenvolvimento pessoal e profissional dessas mães em intervalos regulares ao longo dos anos. Em 1999, os cientistas avaliaram seu índice de massa corpórea e no ano seguinte elas responderam um questionário sobre seu estado geral de saúde.
Os resultados mostraram que as mulheres mais saudáveis eram as que ao longo da vida assumiram um número maior de papéis e responsabilidades. Nesse grupo, todas trabalhavam e apenas 23% estavam acima da faixa de peso ideal. Já no grupo das mães que nunca tiveram atividade profissional, 38% precisavam emagrecer e avaliaram mal seu estado geral de saúde.

Os pesquisadores também queriam saber se a saúde dessas mães era conseqüência do trabalho ou, ao contrário, se seu sucesso profissional se devia à boa saúde de que gozaram durante a juventude. Eles já sabiam que sobrepeso e obesidade interferem negativamente mais no desempenho profissional de mulheres do que de homens.

As análises, entretanto, não indicaram relação entre peso, estado geral de saúde na juventude e o rumo de vida tomado mais tarde. Sugerem, portanto, que as condições físicas não determinam o papel escolhido pelas mulheres. Ao contrário, a multiplicidade de afazeres, entre elas atividades profissionais, parece ter um efeito positivo sobre a saúde das mães que trabalham. A pesquisa foi publicada no Journal of Epidemiological and Community Health.