Mente Cérebro
Clique e assine Mente Cérebro
Notícias

O mistério da síndrome das pernas inquietas

julho de 2008
©JENNA RYAN/ISTOCKPHOTO
DISTÚRBIO se caracteriza por desconforto nos membros inferiores durante o sono
O transtorno conhecido como síndrome das pernas inquietas é um dos distúrbios mais desconhecidos não só por leigos, mas também por boa parte dos médicos não-especialistas em medicina do sono. O problema atinge até 5% da população mundial, mas, nos idosos, esse número salta para 10%. Estudos feitos no Canadá e nos Estados Unidos indicam que menos de 30% dos portadores são corretamente diagnosticados e tratados; acredita-se que no Brasil a situação seja ainda pior. Para tentarem reverter esse quadro, pesquisadores da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP) publicaram um guia de diagnóstico e tratamento, dirigido a médicos de qualquer especialidade, nos Cadernos de Saúde Pública.

Segundo os autores, muitos pacientes acabam sendo tratados como se tivessem ansiedade ou depressão, e o uso de antidepressivos agrava a síndrome das pernas inquietas. O distúrbio se caracteriza por desconforto dos membros inferiores, particularmente na hora de dormir e, em muitos casos, por queimação, pontadas, câimbras e formigamento. A pessoa sente uma irresistível compulsão por movimentar as pernas, na tentativa de obter algum alívio.

O problema é mais comum em mulheres após os 50 anos e durante a gravidez, em doadores freqüentes de sangue ou em pessoas com Parkinson, diabetes, fibromialgia, artrite reumatóide e outras doenças. As causas são desconhecidas, mas um componente genético foi identificado. O tratamento é feito com medicamentos, prática de exercícios, psicoterapia, suspensão de remédios que agravam o quadro e de substâncias estimulantes (como cafeína e nicotina).