Mente Cérebro
Clique e assine Mente Cérebro
Notícias

O poder de sedução do galo virtual

Estudo identifica a utilidade dos barbilhos nos machos e aponta para a capacidade cognitiva das galinhas

junho de 2015
Carolynn L. Smith e Sarah L. Zielinski
SHUTTERSTOCK
O talento cognitivo desses animais parece ter sido herdado de um antepassado, o galo-selvagem-vermelho, ou galo-banquiva, originário das florestas do sul e sudeste da Ásia

Saber que galinhas se observam na televisão inspirou uma de nós (Carolynn Smith) e seus colegas a criar um galo animado em 3D usando a mesma tecnologia empregada na produção de filmes como 007 – Operação Skyfall e Titanic. O galo virtual permitiu à equipe testar o significado das exibições das aves e como se percebiam umas às outras e ainda resolveu a antiga questão de os galos terem barbilhos (apêndice carnoso que pende solto do bico). Quando um macho executa sua exibição de tidbitting – uma série de movimentos com a cabeça que ele usa para comunicar a companheiras sexuais em potencial que encontrou alimentos –, balança o barbilho de um lado para o outro. Porém, décadas de pesquisas não haviam identificado benefícios para os barbilhos dos machos. Carolynn Smith suspeitou que o “retalho” de pele solta pudesse tornar a exibição de tidbitting mais óbvia, dando ao galo uma vantagem para atrair fêmeas, mas ela não podia testar sua ideia cortando o apêndice para observar como uma fêmea reagiria. Em vez disso, criou um galo virtual animado que executava o tidbitting sob comando diante de uma galinha viva e depois alterava a flexibilidade e o tamanho do barbilho do animal para testar como as fêmeas reagiriam.

Ela descobriu que o barbilho funciona como uma bandeira vermelha para as fêmeas, facilitando que elas identifiquem o galo que encontra alimento. Para o macho, o ornamento pode custar um pouco em termos de saúde, porque um barbilho maior está vinculado a mais testosterona, que enfraquece o sistema imune, mas esse preço vale a pena em longo prazo, porque lhe rende conquistas.

A inteligência das galinhas às vezes dificultava o estudo. Em diversas ocasiões uma ave subvertia um experimento ao responder uma pergunta diferente da que a pesquisadora fazia. Em um teste da exibição do tidbitting, foi criada uma situação em que uma fêmea teve a chance de assistir a um vídeo de um macho com o alimento. Para isso, ela tinha de esperar atrás de uma porta equipada com um aparato de controle remoto retirado de um carrinho de brinquedo. Uma galinha que usava uma fita laranja com os números 07 (carinhosamente apelidada de “007”) era famosa por se meter em encrencas. Enquanto esperava que a pesquisadora abrisse a porta com o controle remoto, 007 ficou impaciente e começou a examinar mais de perto o mecanismo de liberação da tranca, virando a cabeça de um lado para outro. Após alguns momentos, ela cuidadosamente bicou o fio de arame que controlava o trinco. A porta se abriu e 007 conseguiu o que queria: ficar perto do macho e seu alimento. Depois desse único experimento, ela nunca mais esperou. Embora os pesquisadores trocassem a configuração do trinco várias vezes, 007 sempre foi capaz de escapar antes de sua vez.

Leia o texto completo: "Galinhas são mais inteligentes do que você imagina", da edição de junho de 2015  Mente e Cérebro, que pode ser adquirida na Loja Segmento:http://bit.ly/1FqeWJ6

 

Leia mais:

Só amanhã de manhã
Para se livrar do assédio noturno dos machos, galinhas facilitam o sexo matinal

Animais têm sentimentos?
Quem gosta de bicho não duvida que seus companheiros de estimação sentem
simpatia, indignação, ou gratidão; cientistas, porém, fazem distinção entre respostas
a estímulos e a interpretação das próprias emoções.