Mente Cérebro
Clique e assine Mente Cérebro
Notícias

O que há de exclusivo no DNA humano

Compartilhamos 99% de nosso genoma com chimpanzés, mas certas sequências únicas ajudam a explicar o desenvolvimento de nossa espécie

setembro de 2014
Katherine Pollard
Mopic/Shutterstock

Nossas cópias de DNA são 99% idênticas às dos chimpanzés comuns (Pan troglodytes). Isso significa que, dos 3 bilhões de letras do genoma humano, apenas 15 milhões – menos de 1% – passaram por mudanças em aproximadamente 6 milhões de anos, desde que as linhagens de humanos e chimpanzés divergiram.

A teoria evolucionista sustenta que a grande maioria das mudanças tem pouco ou nenhum efeito em nossa biologia. Em algum lugar entre os cerca de 15 milhões de bases, no entanto, estão as diferenças que nos fazem humanos.

Para encontra-las, foi desenvolvido um programa de computador capaz de buscar as sequências de DNA que mais mudaram desde que humanos e chimpanzés divergiram a partir de seu ancestral comum. Encabeçando a lista havia um fragmento de código genético com 118 bases, conhecido como Região 1 da Aceleração humana (HAR1).

Essa área do genoma mudou muito pouco durante a evolução dos vertebrados, com as sequências entre chimpanzés e galinhas diferindo em apenas duas letras. A HAR1 em humanos e chimpanzés, entretanto, difere em 18 letras, indicando que a HAR1 assumiu uma nova e importante função em pessoas. Outras sequências divergentes também podem ter sido responsáveis pelo desenvolvimento único da espécie humana:

HAR1
O que faz: Ativa no cérebro, pode ser necessária para o desenvolvimento do córtex cerebral, que é especialmente grande nos humanos. Possivelmente envolvida também na produção de esperma.

FOXP2
O que faz: Facilita a articulação de palavras, permitindo a fala humana moderna.

AMY1
O que faz: Facilita a digestão de amido; pode ter permitido aos primeiros humanos a exploração de novos alimentos, o que exerce influência sobre a cognição.

ASPM
O que faz: Controla o tamanho do cérebro, triplicado no curso da evolução humana.

LCT
O que faz: Possibilita a digestão do açúcar do leite de animais domésticos, um dos principais itens da dieta humana.  

HAR2
O que faz: Conduz a atividade dos genes no pulso e no polegar durante o desenvolvimento, atividade que pode ter dado à mão destreza suficiente para fazer

Para saber mais sobre o tema, confira a matéria Quase humanos, da Mente e Cérebro n. 260.


Leia mais

Genes determinam inclinação à religiosidade ou ao ateísmo, indica estudo
Na adolescência, a religiosidade é influenciada pela educação; já na fase adulta, pode ser atribuída à genética

A influência dos genes na escolha do parceiro
Pesquisa mostra que tanto homens quanto mulheres costumam se sentir atraídos por pessoas com DNA similar