Mente Cérebro
Clique e assine Mente Cérebro
Notícias

Pesquisa sobre violência infantil e saúde mental dá origem à série de livros

abril de 2009
Divulgação
Dois estudos sobre violência infantil e saúde mental realizados por Joviana Quintes Avanci, pesquisadora da Escola Nacional de Saúde Pública do Rio de Janeiro, resultaram em uma série de livros cujos primeiros três títulos acabam de ser lançados: Ansiedade em crianças - Um olhar sobre transtornos de ansiedade e violência na infância; Depressão em crianças - Uma reflexão sobre crescer em meio à violência; e Agressividade em crianças - Um olhar sobre comportamentos externalizantes e violências na infância. As obras são dirigidas a profissionais de saúde e educadores que lidam com esse público.

Outro fruto da pesquisa será um livro, a ser lançado este ano, com análises das ilustrações das crianças que participaram dos estudos. De acordo com Joviana, foram analisados o desenvolvimento cognitivo infantil, sua vulnerabilidade social, o meio em que ela vive, o fator pobreza, os sintomas de depressão, ansiedade, agressividade, entre outros. "A violência infantil está diretamente ligada à depressão e a comportamentos agressivos de crianças e adolescentes", afirma a autora.

Os dois estudos, intitulados A violência familiar produzindo reversos: problemas de comportamento em crianças escolares de São Gonçalo e Acompanhando crianças escolares vulneráveis socialmente – Uma investigação sobre o impacto de alguns determinantes sociais nos problemas de comportamento infantil, envolveram cerca de 500 alunos do segundo ano do ensino fundamental de 25 escolas públicas de São Gonçalo, no Rio de Janeiro.
Na primeira fase foi feito um levantamento dos estudantes e entrevistas com seus responsáveis e professores. "Aplicamos questionários que abordavam comportamento das crianças em casa, em suas comunidades e na escola. Não queríamos ter apenas a percepção da mãe sobre o comportamento, mas também ouvir o profissional de educação que lida com elas diariamente", diz Joviana.

As crianças selecionadas participaram fazendo um desenho da sua família. "Foi a forma que encontramos de ouvi-la e ver como ela se sente, como enxerga sua inserção naquela família. Buscamos isso no desenho, na expressão lúdica", explica. Depois foram repetidos praticamente os mesmos questionários com as mães e professores dos alunos selecionados. A idéia do grupo era ver se algo tinha mudado e como estava o comportamento. A última etapa do trabalho envolveu mais questionários respondidos por pais e professores. Dessa vez, os alunos também foram entrevistados.

Segundo a pesquisadora, agora a equipe está na fase de consolidação dos resultados. "O que temos ainda são dados preliminares, mas podemos dizer que os sintomas de agressividade estão diretamente relacionados à convivência com a agressão dentro de casa com os pais, os irmãos e a comunidade". Em relação à depressão, a violência aparece como fator desencadeador de sintomas, principalmente no que se refere a violência psicológica, rejeições e depreciações das crianças", alerta Joviana. (Com informações da Agência Fiocruz de Notícias)