Mente Cérebro
Clique e assine Mente Cérebro
Notícias

Por que choramos de felicidade

Este tipo de reação é um recurso do cérebro para controlar emoções excessivas

maio de 2015
SHUTTERSTOCK

Você espera ansiosamente pelo resultado de um concurso muito importante. Qual sua reação ao descobrir que foi aprovado? Ri, grita... Chora? Em outra situação, diante de um lindo filhote, talvez você sinta vontade de apertá-lo. Mas lágrimas ou carinhos agressivos não são reações “negativas”? Não necessariamente. De acordo com pesquisadores da Universidade Yale, são um recurso do cérebro para controlar emoções excessivas de felicidade.

A psicóloga Oriana Aragón e seus colegas avaliaram como 143 adultos reagiam a experiências gratificantes e frustrantes. Apresentaram aos participantes fotos de bebês – alguns mais graciosos, outros menos, de acordo com resultados de uma pesquisa anterior que sugere que as crianças consideradas mais “fofas”, em geral, têm bochechas gordinhas, olhos grandes e nariz pequeno. Em seguida, os pesquisadores perguntaram aos voluntários como se sentiam em relação aos bebês e como gostariam de interagir com eles.

Como esperado, constataram que as imagens dos mais fofos tendiam a provocar sentimentos positivos nos observadores. Além disso, vários participantes disseram querer fazer “brincadeiras agressivas” com eles, como apertar as bochechas. Alguns minutos depois, o grupo de pesquisa entrevistou os voluntários novamente e constatou que aqueles que afirmaram querer beliscar os bebês haviam retornado a um estado emocionalmente “neutro” mais rapidamente que os participantes que não mostraram a vontade de brincar com os bebês dessa maneira. “É uma primeira evidência de que reações negativas podem ajudar a regular emoções excessivamente positivas”, diz a psicóloga. Ela e seus colegas consideram que isso ocorre porque sentimentos “positivos demais” podem interferir em processos de tomada de decisão e fazer o cérebro ignorar ameaças ambientais e agir impulsivamente.   

Esta matéria foi publicada originalmente na edição de maio de 2015 de Mente e Cérebro, disponível na Loja Segmentohttp://bit.ly/1DKrwmD

 

Leia mais:

Lágrimas de resolução
Pouco se sabe sobre mecanismos cerebrais do choro, talvez por causa dos soluços que dificultam a imobilidade dos voluntários durante pesquisas com neuroimagem

Lágrimas para quê?
Choro traz benefícios emocionais e fortalece relacionamentos