Mente Cérebro
Clique e assine Mente Cérebro
Notícias

Processamento da linguagem resiste a dano cerebral grave

agosto de 2005
Um estudo da atividade cerebral de pacientes com lesões graves, feito por imageamento, constatou que mentes em estado de consciência mínima podem conservar a capacidade de processar a linguagem. Os resultados são "uma nova voz para esses pacientes", afirma a professora Joy Hirsch, da Universidade de Columbia (Estados Unidos), uma das autoras do estudo, desenvolvido em cooperação com outras instituições.

Pacientes em estado de consciência mínima às vezes conseguem responder a comandos, pegar objetos ou realizar gestos voluntários (pacientes em estado vegetativo, ao contrário, não apresentam comportamentos como esses; era o caso da americana Terri Schiavo, cujo padecimento, na Flórida, ganhou dimensão mundial em março).

Hirsch e seus colaboradores compararam imagens de ressonância magnética funcional de dois pacientes em estado de consciência mínima com as de sete pessoas sadias, obtidas enquanto os indivíduos ouviam gravações de pessoas próximas a respeito de experiências compartilhadas no passado. Os cérebros danificados mostraram uma atividade nos centros de linguagem dos lobos temporais surpreendentemente similar à dos cérebros sadios. Mas, quando os pesquisadores tocaram as gravações de trás para frente, a resposta dos cérebros danificados foi muito inferior, indício de incapacidade de conectar de forma total a sua circuitagem neuronal.

Os pesquisadores dizem que a possibilidade de pacientes em estado de consciência mínima estarem sintonizados à atividade ao redor - como conversas entre médicos e familiares em torno do leito - sem conseguir responder reforça as limitações dos testes correntes utilizados para estimar o nível de consciência. Além disso, possuir a "infra-estrutura cognitiva no lugar sugere que é ao menos teoricamente possível" que esses pacientes recobrem algumas funções e talvez retornem ao estado pré-mórbido, salienta Hirsch. Ela e seus colaboradores continuam investigando como a tecnologia de imagens pode avaliar a cognição e se ela poderia prever a recuperação.