Mente Cérebro
Clique e assine Mente Cérebro
Notícias

Projeto cria próteses infantis inspiradas em super-heróis

Fabricadas em impressoras 3D, as peças são destinadas a crianças com deficiência; os modelos estão disponíveis gratuitamente na internet

fevereiro de 2015
Divulgação/Enabling the future

Ano passado, o estudante de engenharia mecânica Marcelo Botelho ganhou uma impressora tridimensional (3D) quebrada. Pesquisando vídeos no YouTube sobre como usá-la, deparou com a história do menino Daniel, do Sudão, que recebeu uma prótese de mão fabricada nesse tipo de impressora. Teve a ideia de criar algo parecido para o menino Luanderson, vítima de uma má-formação congênita em um braço, que pede dinheiro nas ruas de Santo André, na Grande São Paulo. No entanto, o tipo de plástico necessário, usado em órteses, tem custo alto.

Buscando alternativas mais viáveis, Botelho descobriu a organização não governamental (ONG) Enabling the Future, que elabora modelos de próteses para impressão 3D para crianças que nasceram sem a mão ou parte do braço. Além de mais baratas, as peças são especialmente atraentes para os pequenos, pois têm design inspirado em super-heróis. 

A impressora 3D parte de um modelo digital para imprimir um objeto em milhares de camadas sobrepostas, chegando assim ao resultado tridimensional. Usa materiais como plástico e resina. “Importei peças e transformei a impressora antiga em uma nova e melhor”, conta o estudante, que adaptou o modelo Cyborg Beast, disponível para download gratuito no site do projeto, para que lembrasse o herói Ben 10, ídolo do garoto Kelvin, morador de uma instituição em Santo André. Ele recebeu o dispositivo a pedido de uma cuidadora que escreveu uma carta para o engenheiro depois de ler sobre sua ideia em um jornal local. Atualmente, Botelho está trabalhando num membro artificial para Leanderson e pretende entregá-lo nas próximas semanas.

Cerca de 700 próteses de mão baseadas nos modelos criados pela Enabling já foram impressas e distribuídas até o final de 2014. Nos Estados Unidos, há escolas participando do projeto, onde os alunos seguem tutoriais do site para desenvolver próteses em impressoras 3D.

Interessados em participar como voluntários podem se inscrever no site da ONG. A iniciativa envolve várias etapas, como fotografar os braços da criança de acordo com orientações do site, reunir recursos para comprar o plástico específico, montar o modelo e testá-lo. O dispositivo vem acompanhado de um manual de segurança, e o ideal é que um médico ortopedista acompanhe o processo de adaptação.

Leia mais

Implantes para enxergar, ouvir, andar e lembrar
Milhares de pessoas já receberam "chips cerebrais" para recuperar a audição e os movimentos 

Próteses cerebrais: uma visão crítica