Mente Cérebro
Clique e assine Mente Cérebro
Notícias

Sofrer bullying de irmãos é fator de risco de doenças mentais

Efeitos são mais críticos que os causados por assédio de estranhos, diz estudo

setembro de 2014
Zurijeta/Shutterstock

Crianças que vivenciaram assédio físico e moral de um irmão durante a infância têm maior risco de desenvolver depressão, ansiedade e comportamentos autolesivos na vida adulta, segundo estudo das universidades de Oxford, Warwick e Bristol. 

A psicóloga experimental Lucy Bowes e sua equipe utilizaram para a pesquisa um banco de dados de 7 mil crianças que haviam prestado depoimento sobre esse tipo de violência (e a periodicidade das ocorrências) aos 12 anos e  passado, aos 18, por uma avaliação de saúde mental.

Constataram que, de 3.452 adolescentes que apresentavam algum transtorno psiquiátrico, 1.810 declararam ter sofrido intimidação de pessoas fora da família: 6,4% tinham sinais de depressão, 9,3%, de ansiedade e 7,6% haviam praticado automutilação no ano anterior. Esse percentual foi bem mais alto entre aqueles que relataram ter sofrido, várias vezes por semana, bullying de um irmão: de 786 participantes, 12,3% desenvolveram depressão, 16%, ansiedade e 14%, comportamentos autodestrutivos. 

Em artigo publicado na Pediatrics, os pesquisadores apontam para os efeitos graves da violência intrafamiliar. Embora não seja possível comprovar a relação de causa e efeito, os cientistas afirmam que intervenções para reduzir o assédio físico e moral doméstico podem diminuir o potencial de danos psicológicos futuros. “Aprendemos em casa a lidar com os outros, portanto é importante que os pais estabeleçam regras claras do que é permitido e não considerem esse tipo de comportamento apenas como rivalidade trivial, intervindo de forma consistente”, explica a autora.

Leia mais

Irmãos mais velhos que cometeram delitos graves podem influenciar os mais novos
Estudo aponta relações entre parentesco e comportamento transgressor

Adolescentes problemáticos? Nem sempre...
Costuma-se pensar que o comportamento rebelde é inerente à idade, mas estudos com sociedades pré-industriais indicam que as raízes dessa atitude podem ser culturais