Mente Cérebro
Clique e assine Mente Cérebro
Notícias

Software brasileiro melhora percepção auditiva em crianças com dislexia

março de 2009
Divulgação
Um software desenvolvido na Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP) deve ajudar a tratar problemas de percepção auditiva em crianças com dislexia. O trabalho é fruto da tese de doutorado da fonoaudióloga Cristina Ferraz Borges Murphy. O objetivo do programa é melhorar a capacidade de processar rapidamente estímulos sonoros, habilidade tecnicamente conhecida como processamento temporal auditivo (PTA).

A dislexia é um transtorno de aprendizagem caracterizado principalmente pela dificuldade para aprender a ler e escrever, mas que pode estar relacionado com problemas de percepção auditiva. A fonoaudióloga cita como exemplo o caso das consoantes, que são estímulos mais rápidos que as vogais e “requerem um processamento temporal auditivo íntegro para que possam ser discriminadas”.

A partir de um software americano, foram desenvolvidos dois jogos de computador (um não-verbal e um verbal) para o treinamento auditivo. O jogo não-verbal visava principalmente estimular a percepção e diferenciação de sons agudos e graves. Já o jogo verbal tinha como objetivo a diferenciação de sílabas, especialmente em consoantes de som parecido, como “p” e “b” ou “v” e “f”. Neste caso, houve uma expansão do tempo de produção deste som, a chamada “fala expandida” para facilitar o processo de discriminação.

A pesquisa se dividiu em duas etapas. Na primeira, as 40 crianças disléxicas selecionadas foram separadas em dois grupos: um deles praticava os jogos quase diariamente (durante dois meses), além de ser submetido à terapia fonoaudiológica; o outro participou apenas da terapia. As crianças do primeiro grupo passaram por testes de leitura e percepção auditiva antes e depois do contato com o programa. Na etapa seguinte, as crianças que não tiveram contato com o jogo na fase anterior tiveram a possibilidade de utilizar o software durante dois meses.

Testes semelhantes foram realizados. No caso da habilidade de leitura, não houve alteração significativa entre os resultados pré e pós-treinamento. Já em relação ao processamento temporal auditivo, as diferenças foram bastante relevantes. Houve melhora na habilidade de diferenciar e ordenar sons agudos e graves (o que os pesquisadores chamam de período de freqüência) e graves e na capacidade de distinguir e ordenar sons longos e curtos (período de duração).

Segundo a autora, a principal função do software nesse momento é treinar o PTA, mas futuros aprimoramentos podem estender sua aplicação a problemas de discriminação da fala, auxiliando pessoas com dificuldades de pronunciar determinados fonemas ou que confundem certas letras. A pesquisa, que contou com o apoio da Associação Brasileira de Dislexia (ABD) e da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), é candidata ao prêmio anual da Academia Americana de Audiologia, cujo vencedor será conhecido em abril em Dallas, Estados Unidos. (Com informações da Agência USP de Notícias)