Mente Cérebro
Clique e assine Mente Cérebro
Notícias

Tamanho do córtex visual afeta percepções ópticas

Figuras podem ser vistas como maiores ou menores, dependendo do tamanho desta região cerebral e até criar ilusões

dezembro de 2010
Que pensamentos e emoções diferem de uma pessoa a outra é algo inquestionável. A maioria acredita que o mundo é visto de maneira semelhante por todos. Na verdade, apreendemos as mesmas cenas, mas fazemos interpretações diferentes. Recentemente, porém, um artigo publicado no periódico científico Nature neuroscience demonstrou que isso pode ser influenciado pelo tamanho do córtex visual primário, que varia de tamanho até três vezes de um indivíduo a outro. Para chegar a essa conclusão, neurocientistas do Wellcome Trust Centre for Neuroimaging e do Institute of Cognitive Neuroscience da University College London apresentaram séries de ilusões ópticas a 30 voluntários saudáveis, avaliando a forma como enxergavam as gravuras. Entre as imagens apresentadas, estava a conhecida ilusão de Ebbinghaus – dois círculos iguais envoltos por outros círculos, como se fossem pétalas. As duas figuras do meio são iguais e as que estão no entorno têm tamanhos diferentes (veja imagem). Curiosamente, porém, a maior parte dos que veem a imagem afirmam que a esfera central com as pétalas menores é maior, mesmo que ambas possuam as mesmas medidas.

Em outro caso, duas figuras de mesmo tamanho estavam em posições diferentes em um trilho: em relação ao observador, a primeira estava mais perto e a segunda mais distante. Para muitos, a última parecia maior. Os pesquisadores também observaram que para alguns participantes do teste a diferença ilusória entre as imagens era muito grande, enquanto para outros parecia pouco perceptível. Por meio de imagens de ressonância magnética funcional os cientistas mediram a área superficial do córtex visual primário de cada voluntário e notaram que havia forte relação entre o tamanho dessa área e a extensão em que as pessoas percebiam a ilusão de óptica. Ou seja: quanto menor a região cerebral, mais pronunciada a ilusão.