Mente Cérebro
Clique e assine Mente Cérebro
Notícias

Te conheço?

A prosopagnosia é uma acentuada “cegueira para feições”; pessoas com o distúrbio podem ver o rosto dos outros quase sempre tão bem quanto qualquer um, mas não conseguem retê-los 

setembro de 2017
Da redação
SHUTTERSTOCK

A prosopagnosia é uma inabilidade perceptiva, uma acentuada “cegueira para feições”. Pessoas com o distúrbio podem ver o rosto dos outros quase sempre tão bem quanto qualquer um, mas não conseguem retê-los na memória ou reconhecê-los. Para elas, essa parte do corpo fica praticamente isenta de peculiaridades: é como se a face equivalesse ao joelho ou à panturrilha. Esse grau de dificuldade é variável e, em muitos casos, as pessoas nem sequer se dão conta de que têm um distúrbio – acreditam que os demais veem o mundo exatamente como elas, povoado de faces indistintas. 

O conceito de prosopagnosia é uma invenção moderna. A palavra resulta da junção do vocábulo grego prosopon (face) e agnosia (não reconhecimento). Foi cunhada pelo neurologista alemão Joachim Bodamer, que iniciou seus estudos sobre o tema durante a Segunda Guerra, quando trabalhou no Sanatório Winnental, um hospital psiquiátrico perto de Stuttgart. Ele observou em dois soldados com lesões graves na cabeça uma acentuada inabilidade de reconhecimento facial. Eles olhavam o rosto dos companheiros, mas não conseguiam coordenar a percepção com a capacidade de identificá-los. 

Projeções feitas pelo Instituto de Genética Humana da Universidade de Münster, na Alemanha, sugerem que aproximadamente 2% da população é afetada por essa inabilidade em algum grau. Em amostragem realizada com 689 estudantes, 17 apresentaram indícios do distúrbio. Em 14 dos indivíduos pesquisados, foram descobertos sintomas de prosopagnosia tanto em parentes próximos quanto nos do círculo familiar ampliado. 

“Sabemos hoje que, se o pai ou a mãe apresenta essa inabilidade perceptiva, a probabilidade de ela aparecer também nos filhos será de 50%; o sinal característico é, portanto, hereditário dominante”, afirma o neurocientista Thomas Grüter, professor daUniversidade de Münster. E, uma vez que a prosopagnosia afeta igualmente homens e mulheres, evidencia-se que nela não tem participação nenhum cromossomo sexual, mas provavelmente um “autossomo”. 

O especialista ressalta que a inabilidade congênita de reconhecer rostos não necessariamente tem a mesma base neuronal da prosopagnosia adquirida por lesão cerebral. “Até o momento, só sabemos que ela parece responsável pelo distúrbio hereditário de uma única mutação genética; a exemplo de todos os primatas, os seres humanos têm pouca habilidade olfativa em comparação com outras espécies, o que em geral não nos permite reconhecer nossos semelhantes pelos odores, como fazem, por exemplo, os cães”, observa Grüter. Em vez disso, temos uma visão altamente aperfeiçoada para identificá-los.

Esta matéria foi publicada originalmente na edição de setembro de Mente e Cérebro, disponível em: ImpressaAndroidIOS e WEB 

Leia mais: 

A estreita relação entre orgasmo e consciênciaPara psicólogo, o prazer sexual pode funcionar como um breve “descanso” para o cérebro, atenuando momentaneamente as preocupações, o julgamento e o autocontrole

O "cérebro grávido" é um mito?Pesquisas sugerem que instabilidade emocional e alterações de memória na gestação podem estar associadas a ansiedade e expectativas