Mente Cérebro
Clique e assine Mente Cérebro
Notícias

Teatro como terapia

Crianças autistas podem aprender habilidades sociais importantes com abordagens psicodramáticas

novembro de 2014
Ronfromyork/Shutterstock

Ciência e arte nem sempre andam de mãos dadas, mas algumas iniciativas que unem psicologia e teatro têm se mostrado eficientes no controle de problemas relacionados ao transtorno do espectro autista (TEA). Estudos mostraram que as habilidades desenvolvidas em exercícios dramáticos correspondem a três das principais dificuldades observadas em pessoas com a síndrome: interação social, comunicação e flexibilidade na imaginação.

Uma das intervenções, proposta pelo projeto Teatro Senses, nos Estados Unidos, procura ajudar crianças diagnosticadas com TEA a melhorar habilidades sociais. “Atuar pode causar impactos profundos na maneira como interagimos com os outros; a técnica ajuda a apurar o pensamento e a tornar o comportamento mais flexível”, diz a psiquiatra Blythe A. Corbett, da Universidade Vanderbilt, e atriz aposentada que participa do Sense desde 2009. 

O programa foi realizado em dois acampamentos de verão que serviram de local para os estudos-piloto. No início, as crianças participam de improvisações e de jogos que lhes permitem assumir diferentes papéis. Depois, passam para lições de roteiro e se preparam para a apresentação de uma peça. A equipe de Blythe Corbett mediu a percepção social e habilidades de interação dos participantes antes e depois do processo. Resultado: ao final, as crianças mostraram aumento na consciência social e se lembravam melhor de rostos, segundo publicado na Autism Research no início deste ano. 

Da mesma forma, outros dois grupos apresentam resultados promissores. A iniciativa Shakespeare e Autismo, uma parceria entre a atriz britânica Kelly Hunter, a Companhia Real de Shakespeare e o psicólogo especialista em distúrbios do desenvolvimento Marc J. Tassé, da Universidade do Estado de Ohio, utiliza jogos teatrais (com base em cenas das peças do poeta e dramaturgo inglês) e o ritmo do pentâmetro iâmbico (métrica utilizada na
poesia e nas artes dramáticas) para ensinar implicitamente habilidades sociais. 

O projeto Imaginando o Autismo, liderado pelas professoras de teatro Nicola Shaughnessy e Melissa Trimingham, da Universidade de Kent, na Inglaterra, propõe uma programação semanal para crianças com a síndrome. A proposta é agregar atuação, teatro de fantoches e elementos digitais interativos. 

Nenhum dos estudos comparou essas crianças com outras com o mesmo diagnóstico e condições similares que não passaram pelas intervenções, por isso ainda não é possível descartar outras explicações para a melhora, como a evolução natural ao longo do tempo. As equipes envolvidas nos programas Teatro Senses e Shakespeare e Autismo estão em fase de conclusão de estudos mais rigorosos que comparam os participantes com crianças na lista de espera. Mas só o fato de três grupos independentes apresentarem resultados preliminares tão encorajadores já é um indício animador de que podem estar no caminho certo.

Leia mais

Risco alto de autismo pode ser detectado aos 18 meses de idade
Estudo em larga escala com bebês consegue identificar sintomas do transtorno no primeiro ano de vida

Realidade virtual ajuda pessoas com autismo a vencer medos
Explorar cenários estressantes em um ambiente seguro possibilitou que jovens autistas superassem dificuldades cotidianas

Os pilares do teatro terapêutico
Uma das obras fundamentais de Jacob Levy Moreno, pioneiro nos estudos de terapia em grupo e pai do psicodrama, ganha nova edição