Notícias
15 de dezembro de 2011
Ultrassom em excesso pode prejudicar a formação do cérebro
Técnica expõe o feto a uma rajada de ondas mecânicas de alta frequência, usadas em laboratório para dissociar e até matar células
 
O primeiro é miraculoso: aquele que nos mostra um projeto de gente em nosso ventre, coraçãozinho já formado, batendo acelerado. Esse confirma que a gravidez é uterina – ou denuncia uma gravidez tubária, que precisa ser rapidamente abortada para não colocar em risco a vida da mãe. Os seguintes, sempre solicitados pelo médico, revelam a boa formação do cérebro e de outros órgãos do corpo, e mais tarde atestam a saúde da placenta ou acusam seu envelhecimento precoce e mostram se a posição do cordão umbilical exigirá algum cuidado especial no parto.


Recentemente, contudo, a facilidade de fazer ultrassonografias popularizou os exames eletivos, como os tridimensionais em alta resolução, “para ver o rostinho do bebê”. Há até quem compre seu aparelho portátil, “para monitorar o bebê o tempo todo” – o que foi o caso de Tom Cruise durante a gravidez de sua mulher, Katie Holmes, processo acompanhado sem trégua pela mídia. Tais exames, segundo alguns sites, seriam “completamente isentos de malefícios” e, portanto, poderiam ser feitos “à vontade”.


Mas qualquer pessoa diz qualquer coisa na internet, e a verdade é um pouco diferente. O exame de ultrassonografia expõe o embrião ou feto a uma rajada de ondas mecânicas de alta frequência, usadas em laboratório para dissociar e até matar células. Por isso, Pasko Rakic, um dos maiores especialistas no desenvolvimento pré-natal do sistema nervoso, suspeitou que o exame não fosse tão inofensivo assim.


Em um estudo publicado em 2006, Rakic mostrou que, aplicada a fêmeas prenhes de camundongos em condições comparáveis às dos exames feitos em humanas, a ultrassonografia pode, sim, prejudicar a migração dos neurônios que formarão o cérebro dos filhotes. Até 15 minutos de exposição ao ultrassom não têm efeito detectável: sem a ultrassonografia, apenas 5% dos neurônios em migração do local onde nascem até seu destino no córtex cerebral ficam dispersos pelo caminho, como que perdidos ou atrasados. Mas com 30 minutos de exposição total ao ultrassom, a porcentagem de neurônios fora da rota sobe para 9% e vai aumentando com o tempo de exposição até um máximo de 19%, com a maior exposição ao ultrassom no estudo: 7 horas.


O efeito é pequeno. Além disso, ainda não se sabe se tem conseqüências detectáveis sobre os fetos examinados e certamente não é razão para você ir correndo cancelar seu exame ou impedir que sua filha ou irmã façam os seus. Anos e anos de ultrassonografia durante o pré-natal confirmam que riscos eventuais de uma exposição pequena valem os benefícios oferecidos à mãe e ao bebê pelos exames feitos por razões médicas, que mantêm a exposição ao mínimo necessário.


O importante, contudo, é reconhecer que a ultrassonografia não é “completamente isenta de malefícios”: ela pode, sim, prejudicar a formação do cérebro, e, quanto maior for a exposição do feto ao ultrassom, maior será o risco de sua formação ser perturbada, sobretudo em exames tridimensionais de alta resolução, que empregam ultrassons mais fortes. Por maior que seja a curiosidade, ultrassonografia não é fotografia e deve ser usada, como os remédios, com bom-senso e orientação médica.


Pasko Rakic foi orientado pelo advogado de sua universidade, a Yale, a não responder a e-mails de gestantes perguntando se deveriam ou não fazer os exames pedidos pelo médico nem dar declarações à imprensa. Mas ficou feliz em saber que, por causa de seu estudo, Tom Cruise voltou atrás: a pequena Suri não foi bombardeada desnecessariamente por ondas de ultrassom durante a gestação.