Mente Cérebro
Clique e assine Mente Cérebro
Notícias

Um palco para cada loucura

Teatro do Oprimido reúne pacientes, atores e profissionais da área psiquiátrica

março de 2009
Divulgação
Segundo a Associação Brasileira de Psiquiatria, há no Brasil 17 milhões de pessoas com transtornos mentais; 5 milhões são crianças e adolescentes
Uma parceria entre o Ministério da Saúde e o Centro de Teatro do Oprimido tem buscado formas criativas – e eficientes – de lidar com doentes mentais. A proposta é reunir no mesmo palco, pacientes e familiares, atores e profissionais da área psiquiátrica. Já utilizado como técnica auxiliar de tratamento desde a década de 80, em países como França e Inglaterra, um projeto piloto teve início em 2004 no Rio de Janeiro, idealizado por Pedro Gabriel Delgado, em parceria com a Coordenação Nacional de Saúde Mental. Esse trabalho se estendeu a São Paulo e Sergipe, com a capacitação de 90 profissionais que, por meio da técnica, passaram a trabalhar o corpo, expressando por meio de imagens e sons aquilo que não era possível dizer em palavras. Nos próximos meses, mais 50 profissionais serão capacitados.

Fundado no início da década de 70, pelo diretor do antigo Teatro Arena de São Paulo, Augusto Boal, o Teatro do Oprimido surgiu com o objetivo de criar uma nova técnica de preparação de atores, por meio de exercícios e jogos teatrais; democratizar o acesso do público ao teatro e transformar sua realidade. Assim, o Teatro do Oprimido se fez presente em escolas e contextos sociais que demandavam mudanças, até chegar a instituições psiquiátricas como os Centros de Atenção Psicossocial (CAPs) e as Unidades Básicas de Saúde (UBS).

Os participantes encenam um problema específico e trocam de papéis, criando distância do fato problemático e, assim, adquirindo mais clareza das dinâmicas e possíveis soluções. Segundo Boal, o objetivo é “analisar os problemas do presente, usando a experiência do passado, para inventar o futuro”. Nos locais onde o Teatro do Oprimido atua, já houve diminuição do tempo de internação, do número de pacientes deprimidos e maior adesão ao tratamento, com redução do uso de medicação.